Socialistas “light” tentam manter o poder no Uruguai
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Socialistas “light” tentam manter o poder no Uruguai

O ex-presidente Tabaré Vázquez, um dos líderes da Frente Ampla, de centro-esquerda, tenta voltar à presidência do Uruguai. No início do ano sua vitória era encarada como inevitável. Mas, nos últimos tempos começam a surgir dúvidas sobre isso. Seu rival Luis Lacalle Pou, do Partido Nacional (ou "Blanco"), começou a crescer de forma persistente. Os analistas indicam que o segundo turno é praticamente inevitável.

arielpalacios

19 de outubro de 2014 | 23h44

O ex-presidente Tabaré Vázquez, um dos líderes da Frente Ampla, de centro-esquerda, tenta voltar à presidência do Uruguai. No início do ano sua vitória era encarada como inevitável. Mas, nos últimos tempos começam a surgir dúvidas sobre isso. Seu rival Luis Lacalle Pou, do Partido Nacional (ou “Blanco”), começou a crescer de forma persistente. Os analistas indicam que o segundo turno é praticamente inevitável.

No primeiro semestre deste ano o ex-presidente Tabaré Vázquez, embora fosse ainda pré-candidato da coalizão de centro-esquerda Frente Ampla, despontava na época como o virtual vencedor das eleições presidenciais de outubro deste ano no Uruguai. Na ocasião, diversos analistas indicavam que Vázquez venceria no primeiro turno, além de conquistar maioria parlamentar. Desta forma, seus aliados estavam confiantes de que a Frente Ampla – um colcha de retalhos que reúne socialistas, ex-guerrilheiros tupamaros, comunistas e democratas-cristãos e que está no poder desde 2005, permaneceria no governo até 2020.

Mas, as chances de uma vitória tranquila desvaneceram ao longo do último mês e meio com o inesperado crescimento persistente nas pesquisas de opinião pública de Luis Lacalle Pou, de 41 anos, candidato do Partido Nacional (também conhecido como “Partido Blanco”).

Desta forma, com um clima de suspense que os uruguaios não viviam desde as acirradas eleições de 1999, os partidos políticos entram hoje (domingo) na última semana de campanha eleitoral. No próximo domingo, dia 26, os uruguaios irão às urnas para o primeiro turno das eleições presidenciais. Além disso, renovarão o Senado e a Câmara de Deputados, além de votar em um plebiscito sobre a eventual redução da idade de responsabilidade penal de 18 para 16 anos.

Uma pesquisa elaborada pela consultoria Equipos Mori indica que a Frente Ampla contraria com 41% dos votos, enquanto que o Partido Nacional obteria 28% e, com o candidato Pedro Bordaberry, o Partido Colorado teria 15%.

O Partido Independente possui 3%, enquanto que a União Popular, de esquerda, constituída por dissidentes da Frente Ampla decepcionados com o “baixo esquerdismo” do presidente José Mujica e de Vázquez – aos quais definem ironicamente como “socialistas pausterizados” – contam com 1%. O Partido Ecologista, formado por grupos também descontentes com os frentamplistas, receberia 1% dos votos.

Outra pesquisa, da consultoria Factum, sustenta que a Frente Ampla possui 42% das intenções de voto, enquanto que o Partido Nacional teria 32%. Os colorados obteriam 15% dos votos, enquanto que os independentes receberiam 3%. A Unidade Popular e o Partido Ecologista teriam 1% cada um.

Uma pesquisa da Equipos Mori indicou na quinta-feira que o frenteamplista presidente Mujica conta com 56% de aprovação popular. No entanto, Mujica não pode ser candidato, já que a constituição uruguaia proíbe a reeleição presidencial consecutiva.

A campanha, como costuma ocorrer sempre no Uruguai – na contra-mão de países da região – está sendo marcado pelo habitual clima civilizado, sem agressões entre políticos. As máximas ofensas entre candidatos constituem frases como “as propostas do candidato X são frágeis como bolha de sabão”.

ESTANCAMENTO – O analista político e de opinião pública Oscar Bottinelli, disse ao Estado que “o estancamento da Frente Ampla é um fenômeno que estava ocorrendo desde 2010, ficando sempre entre 41% e 44% das intenções de voto. Mas, tudo indicava que Vázquez permitiria superar essa faixa”.

No entanto, segundo Bottinelli, setores mais à esquerda da Frente Ampla “sentiram que Vázquez não faria as mudanças revolucionárias que eles esperavam e foram embora, fundando a Unidade Popular. Além disso, as classes médias e classes altas, que foram as menos favorecidas pelo governo da Frente Ampla, também indispuseram-se com Vázquez. E, de quebra, os setores médio-baixo e baixo, apesar de receberem vários benefícios deste governo, estão irritados com o crescimento da criminalidade”.

Bottinelli sustenta que a educação teve “uma revolução” com o “Plano Ceibal”, que distribuiu a cada estudante uma laptop, além de acesso gratuito a internet para esses alunos. “Mas, o resto do setor educativo está cada vez com mais dificuldades”, ressalta.

Segundo o analista, o surgimento de Lacalle Pou “é um fenômeno com efeitos psicológicos e sociológicos interessantes”, já que propicia “uma sensação de renovação de gerações, mais ainda em um país envelhecido como o Uruguai, onde a média de idade do eleitorado é 44 anos, patamar que nos coloca como um dos três países com a mais alta idade média. E, além disso, Lacalle Pou é três anos mais novo que essa média”.

PLEBISCITO – Uma pesquisa da consultoria Equipos Mori indicou na semana passada que 54% dos uruguaios respaldam o projeto de reforma constitucional que permita reduzir dos 18 aos 16 anos a idade da responsabilidade penal. Outros 38% posicionaram-se contra essa iniciativa – que é rejeitada pela Frente Ampla – enquanto que 8% não possui opinião formada. Em setembro o respaldo à redução da idade penal era de 51%.

As pesquisas da Factum indicam que 44% dos uruguaios estão a favor da redução, enquanto 38% opõem-se ao projeto. Outros 6% indicaram que poderiam eventualmente votar a favor da redução, embora não estivessem totalmente definidos. Além deles, 5% acreditam que poderiam eventualmente votar contra a redução.

A Frente Ampla posiciona-se contra a redução. Enquanto isso, o Partido Nacional está dividido, já que Lacalle Pou é a favor, embora seu candidato a vice, Jorge Larrañaga seja contrário.

E, para embalar a jornada, o tangueiro uruguaio Francisco Canaro:

hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra). Em 2013 publicou “Os Argentinos”, pela Editora Contexto, uma espécie de “manual” sobre a Argentina. Em 2014, em parceria com Guga Chacra, escreveu “Os Hermanos e Nós”, livro sobre o futebol argentino e os mitos da “rivalidade” Brasil-Argentina.

No mesmo ano recebeu o Prêmio Comunique-se de melhor correspondente brasileiro de mídia impressa no exterior.

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão, aqui.

E, the last but not the least, siga @EstadaoInter, o Twitter da editoria de Internacional do Estadão.
E, de bonus track, veja o Facebook  da editoria de Internacional do Portal do Estadão,aqui.
.…………………………………………………………………………………………………………………………………………………
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral (ou político-partidária) e publicidade religiosa também serão eliminadas dos comentários. Não é permitido postar links de vídeos. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.