Diamantes maradonianos e um pouco de lunfardo futebolístico
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diamantes maradonianos e um pouco de lunfardo futebolístico

arielpalacios

20 de setembro de 2009 | 18h00

bond
James Bond, o ornitólogo, com uma dupla de numênios-esquimós, um simpático passarinho da espécie dos maçaricos. Não é o homem dos diamantes.

James Bond (o mais famoso agente da Rainha e não o homônimo ornitólogo americano) costumava afirmar que “os diamantes são eternos”. No entanto, para Diego Armando Maradona, técnico da seleção argentina, a afirmação não funcionou. “El pibe de oro” ficou sem seus brincos com diamantes incrustados por ordem do Fisco italiano, que confiscou as maradonianas jóias por causa da dívida que “El Diez” possui nesse país com o leão peninsular.

Enquanto isso, em Buenos Aires, os analistas esportivos destacavam: “Maradona sai de um problema para entrar em outro”.

O confisco ocorreu repentinamente, enquanto Maradona desfrutava de um relax no elitista spa do hotel Palace de Merano, controlado pelo especialista em dietas Henri Chenot, ao sopé das montanhas Dolomitas, no nordeste da Itália.

Maradona deve ao Fisco italiano 36 milhões de euros.
Seus brincos de diamante são estimados em 4 mil euros.

A dívida de Maradona data do final dos anos 80, quando jogava no Napoli, onde era conhecido como “Santa Maradona”.
A cada dia, a dívida de Maradona aumenta em 3 mil euros de juros.

O tratamento de uma semana nesse spa custa 7.500 euros.

Por este motivo, o confisco foi considerado uma ‘mixaria’ pelos italianos. Leitores dos principais jornais enviaram cartas reclamando dos privilégios de Maradona, que teve que desprender-se (involuntariamente) de uma ínfima parte de seus bens para pagar parte a dívida. “Se eu deixo de pagar tanto tempo, vou preso”, alegaram vários leitores.

maradiona
O jamesbondiano ‘os diamantes são eternos’ não funcionou para Maradona

Em 2005 o Fisco também confiscou parte do cachê de Maradona no programa de TV “Dançando com as estrelas”. Em 2006 o Fisco confiscou um rolex de 11 mil euros de Maradona, durante uma visita sua ao país. No entanto, entre um confisco e outro, incluindo os diamantes deste última vez, o leão italiano apenas recuperou 50 mi, euros.

Maradona desembarcou na Itália na segunda-feira da semana passada. Ali, internou-se no elegante spa do Palace de Merano para perder quase 6 quilos que seu médico pessoal, Alfredo Cahe, considera ‘adicionais’.

Há uma semana Maradona deixou a Argentina, repentinamente, sem contar à própria Associação de Futebol da Argentina (AFA), rumo a Itália.
Em Buenos Aires os ‘hinchas’ torcedores ficaram furiosos, já que o técnico deixava o país no meio da maior crise da seleção nos últimos 39 anos. A seleção argentina corre o risco de ficar de fora da Copa do Mundo da África do Sul, que será realizada no ano que vem.

Segundo várias pesquisas, 85% dos torcedores, furiosos com a partida de Maradona para cuidar das adiposidades acumuladas na cintura, exigem sua demissão categórica.

anorta1asLUNFARDO FUTEBOLÍSTICO
Um pouco do palavreado informal e formal utilizado no setor futebolístico

PICADO: jogo de futebol entre amigos em um campo com arcos e marcas reais no gramado. Mas, é um jogo entre amigos.

PICADITO: Uma pelada, pois pode ser jogado em praças, terrenos baldios, ruas, um estacionamento, e até no terraço de uma casa. No picadito os gols não possuem grande importância. Costuma ocorrer que ninguém conta a totalidade dos gols e o jogo termina sem saber quem pode ser o vencedor. A frase “estamos mais ou menos igual” (vamos iguales) é uma frase diplomática para a ocasião.

POTRERO: campo de futebol informal, em um terreno baldio, por exemplo. ‘Várzea’. O termo origina-se no campo onde os cavalos, isto é, os potros, pastavam.

FULBITO: Refere-se a jogadas vistosas, como embaixadas com sequências de toques de ombro ou cabeça. No entanto, consiste em passes que embora bonitos não colocam em risco o adversário.

PARTIDO: Um jogo. “El partido Boca-River…”

GAMBETA: Drible. Vem de ‘gamba’, perna em italiano. Também se usa para ‘dribles’ na vida. Um tango, o “Mano a Mano” indica “gambeteabas la pobreza en la casa de pensión” (driblavas a pobreza no pensionato).
Link doYoutube para o Mano a Mano, com Carlos Gardel, em uma época em que estava um tanto quanto rechonchudo:
http://www.youtube.com/watch?v=jildNDPHPQo

RABONA: Não se refere à ter ‘rabo’ (no sentido de ‘sorte’), nem constitui alusão aos glúteos de alguma torcedora (ou jogador). Simplesmente, o passe ou toque de trivela.

TACO: Toque de calcanhar. “Taquito” é usado quando o toque foi feito com certo ‘carinho’

D.T.: Sigla de diretor técnico. Por exemplo: “Maradona, un DT problemático…”

AGUANTE: Literalmente, seria o ato de aguentar. Mas, refere-se ao respaldo, apoio que uma torcida propicia a seu time. “Le hicimos el aguante” (Fizemos-lhe o aguante), equivale a algo como “estivemos torcendo ali permanentemente, de forma intensa”. O grito pode ser “Aguante …. (nome do time)!!!”

DESCENSO: Quando um time cai da primeira divisão para a segunda. O pânico dos times quando ouve-se a frase “se fue al descenso” (foi para o descenso)

ZURDA: A canhota. Um jogador ‘zurdo’ é o canhoto. Pateó con la zurda. Chutou com o pé esquerdo. O ‘zurdazo’ é o chute com a canhota feito de forma forte.

marca0s

O verdadeiro James Bond:
http://www.telegraph.co.uk/culture/film/jamesbond/5320004/Bonds-unsung-heroes-the-original-James-Bond.html

Os numênios: http://pt.wikipedia.org/wiki/Numenius

maerca3rs

arautoENCONTRO COM COMENTARISTAS
Caros comentaristas, estarei em São Paulo no dia 30 de setembro, 4afeira da semana que vem.

Estamos organizando um encontro com os comentaristas deste blog em um lugar (bar-restaurante) nas redondezas da av. Paulista para conversar.
O encontro seria a partir das 18:30.

Quem quiser participar, por favor deixe em um comentário o nome e o mail com o qual posso contatá-lo (comentário que não será publicado).

Será um prazer conhecê-los pessoalmente!!!
Abraços,
Ariel

………………………………………………………….
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados.
Tampouco serão publicados ataques pessoais entre leitores nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes.
Além disso, não publicaremos palavras ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como back ground antropológico).
Todos os comentários devem ter relação com o tema da postagem.
E, acima de tudo, serão cortadas frases de comentaristas que façam apologia do delito.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.