As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vocabulário básico da noite jovem portenha

arielpalacios

26 de março de 2009 | 07h00

A seguir, um vocabulário ‘jovem’ da noite da capital argentina. Verbetes úteis para mulheres e homens que visitarem a cidade nos próximos feriadões brasileiros. Posologia: usar este palavreado somente em ambientes informais…

Fashion: Os portenhos pronunciam “fáxion” (com um ‘x’ como em ‘queixo’). Que está na moda, mas com categoria. Um lugar pode ser “fashion”. Uma pessoa, idem.

Re-out: O “re”, prefixo usado ad nauseam pelos portenhos, aplica-se para reforçar uma idéia. Re-out é algo muito “out”.

Histérico, histérica: Os argentinos usam esta palavra fora do contexto freudiano. Refere-se à pessoa que gosta de ser olhada, exibir-se, mas na hora “h” não quer nada. Pessoa que provoca por provocar, comportamento considerado (por turistas estrangeiros e também os nativos) como algo “freqüente” na noite portenha.

Mina: Garota

Chico: Garoto, rapaz

El flaco: Literalmente, é “o magro”. Mas, neste caso, usa-se como sinônimo de “rapaz” ou “cara”.

La flaca: O mesmo, usado no feminino.

Gato/gata: Jamais usar como elogio, tal como no Brasil, pois na Argentina refere-se a “uma garota de programa”.

Un táxi: Se for para o veículo com taxímetro, tudo bem. Mas, se alguém referir-se a um rapaz como ‘un táxi’, refere-se a um garoto de programa.

Fuerte: “Forte”, usado para indicar alguém que possui supimpas formas físicas. Ou, aquelas pessoas que no Brasil seriam classificadas como “gostoso” ou “gostosa”.

Re-fuerte: Prá lá de ‘fuerte’.

El celu: O celular. “Dame tu número de celu” significa “me dá teu número de celular”.

No existís: Você não existe. Se toca, meu.

Mirá vos… : Olha só, pois é. Frase usada quando a conversa está chata e tenta-se encerrar o assunto. Uma de minhas expressões preferidas! Usar como se depois viessem três pontinhos. Os “…” são imprescindíveis.

Tipo nada: Pronuncia-se “tipo náááá”. Frase estepe, equivalente a “bem, então….”.

Buenísimo: Pronuncia-se esticando o “i”, desta forma: “bueníííííísimo”. Para indicar que algo é muito legal.

Boludo, boluda: antigamente era – inexoravelmente – um palavrão. Hoje em dia é predominantemente sinônimo de “cara” (para homens e mulheres) se usado entre amigos ou conhecidos. Ou mesmo entre desconhecidos mas com tom amigável, especialmente se forem jovens. Entre adultos continua sendo palavrão. A versão abreviada para o ‘boludo’ com sentido de ‘cara’ é “bolú”. A mudana do uso dessa palavra seria equivalente ao ‘coitado’ em potuguês (que há mais de um século referia-se a quem leva o coito). Com o passar do tempo, perdeu seu impacto e sua conotação original).

Levante: “Ir de levante”. Sair para paquerar, com expectativas elevadas de conseguir algum resultado. “Lugar de levante” é o lugar de paquera.

De gira: quando você sai para “levantar”

Lomo: “Lombo”, ou corpo, no sentido de admiração. “Que lomo!”

Lomazo: Um corpaço. Usado para homens e mulheres.

Lolas: seios.

Gomas: seios.

Delantera: seios

El paquete: palavra genérica para referir-se ao volume do membro viril masculino sob a calça. As mulheres costumam usar uma palavra mais específica, “el bulto”, ou, dito da forma “vesre” (ao contrário), “el tobul”. Elas também aplicam o termo “el pedazo”. Os gays usam a palavra “el bollo”.

Una loca: Gay, mas tresloucado (no entanto, é uma palavra usada dentro da própria comunidade gay. Não é termo que um heterossexual costume utilizar para referir-se a uma pessoa gay).

Chongo: Homem de aparencia altamente masculina, geralmente de comportamento heterosexual, mas com eventual inclinação para relações homossexuais.

Comentários racistas, chauvinistas, sexistas ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais entre leitores nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Além disso, não publicaremos palavras ou expressões de baixo calão. E, acima de tudo, serão cortadas frases de comentaristas que façam apologia do delito.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.