A máquina chinesa de vender

A máquina chinesa de vender

Cláudia Trevisan

20 de abril de 2009 | 11h25

Visitar a megafeira do Cantão, no sul da China, ajuda a entender como o país asiático se transformou em tempo recorde em uma das principais potências exportadoras do mundo. O evento é o principal local de exibição dos produtos chineses e é marcado pela diversidade e amplitude. Negociantes do mundo inteiro podem encontrar em seus estandes virtualmente tudo o que buscam _de produtos finais às máquinas que os produzem, a preços imbatíveis.

A exposição é organizada em três imensos pavilhões de quatro andares cada um, conectados por longos corredores. A parte da feira dedicada a grandes máquinas e equipamentos é realizada ao ar livre, onde até guindastes estão à venda. O evento ocorre duas vezes por ano, em abril e outubro. No ano passado, o número de visitantes foi de 192 mil e 174 mil, respectivamente, vindos de 200 países e regiões ao redor do mundo. Nos corredores, escuta-se as mais diferentes línguas e nas entradas para os pavilhões, dezenas de chineses oferecem seus serviços de intérprete para os compradores.

As estatísticas sobre a exposição de abril só serão conhecidas depois do encerramento do evento, no dia 7 de maio, mas os organizadores avaliam que o número de brasileiros será menor que em outubro, quando atingiu 2.700 compradores. Antes da crise, a participação nacional estava em alta e deverá retomar essa trajetória quando a crise global amainar.

Enquanto o Brasil praticamente não realiza promoção comercial de seus produtos na China, Pequim mantém há cinco anos em São Paulo um enorme escritório que tem a missão de organizar visitas de empresários ao país asiático e fazer a ligação entre o vendedor chinês e o comprador brasileiro. O China Trade Center fica a meia quadra da avenida Paulista e entre Brasil e China possui 100 funcionários.

Aí vão algumas fotos da feira:

Visitantes caminham no corredor do pavilhão A

Corredor que liga os pavilhões A e B ao C

Corredor do pavilhão B

Corredor entre os pavilhões A e B

Rua entre os pavilhões A e B

Fila de entrada para a feira

Intérpretes oferecem seus serviços

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.