Bolsonaros agem como se Donald Trump fosse governar para sempre –e sem o Congresso

O alinhamento ideológico e incondicional a Trump ignora uma realidade básica da alternância de poder: ele pode não ser reeleito em 2020. Caso um democrata vença a disputa, a suposta boa vontade com que Bolsonaro pai espera ser tratado pelos Estados Unidos vai evaporar imediatamente

Cláudia Trevisan

11 Dezembro 2018 | 00h57

Se alguém tinha dúvida sobre o fascínio da família Bolsonaro em relação a Donald Trump, ela foi dissipada quando o terceiro-filho Eduardo posou para fotos usando um boné da campanha à reeleição do presidente americano durante sua visita a Washington, no mês passado. O futuro chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, foi mais longe do que muitos seguidores do atual ocupante da Casa Branca e o caracterizou como salvador da civilização ocidental -tese que deve ter tido baixa aceitação na Europa, onde a maioria vê Trump mais como ameaça do que como redentor.

O alinhamento ideológico e incondicional a Trump ignora uma realidade básica da alternância de poder: ele pode não ser reeleito em 2020. Caso um democrata vença a disputa, a suposta boa vontade com que Bolsonaro pai espera ser tratado pelos EUA vai evaporar imediatamente. É por isso que o manual da política externa dita que ela deve ser realizada entre Estados. Claro que a “química” pessoal entre líderes conta, mas manifestar vinculação tão explícita a um governante específico é amador e não atende aos interesses brasileiros. Trump não é um monarca nem governa sozinho, muito menos para sempre.

A fantasia de que Brasil e EUA terão uma relação especial, com um acordo bilateral de livre comércio, poderá começar a ser desfeita antes mesmo da campanha presidencial de 2020. No improvável cenário de que um tratado seja negociado, ele enfrentará oposição no Congresso americano, que estará sob nova direção a partir de 3 de janeiro. Os democratas derrotaram o Partido Republicano de Trump nas eleições de meio de mandato, em novembro, e recuperaram a maioria na Câmara dos Deputados. A legenda do presidente venceu no Senado, mas isso não será suficiente para aprovar tratados de livre comércio, que devem passar pelas duas Casas do Congresso.

A foto de Eduardo como o boné “Trump 2020” e o alinhamento incondicional do governo Bolsonaro com o presidente mais odiado pelos democratas na história americana não devem contribuir para posições favoráveis da bancada opositora ao eventual acordo –ou a qualquer outra questão de interesse do Brasil. Nos EUA, o Congresso tem poder enorme e não pode ser ignorado por outros países, como bem sabe nosso futuro chanceler.

Claro que Trump pode ser reeleito em 2020, mas esse não é um desfecho garantido. Sua aprovação está em 42%, segundo o Gallup, enquanto sua rejeição chega a 56%. A eleição de meio de mandato, vista como um referendo do trabalho do presidente, deu uma vitória maior que a esperada aos democratas na Câmara, apesar de não ter entregue o Senado à oposição. A expectativa de que isso ocorresse era baixa, já que os democratas tinham que defender 26 cadeiras e os republicanos, apenas 9.

O fator determinante na eleição deverá ser a performance da economia, que cresce há nove anos sem parar. A turbulência recente nas Bolsas de Valores reflete dúvidas dos investidores sobre a manutenção da expansão e muitos começam a acreditar que uma recessão será inevitável. A apreensão se reflete nos juros dos títulos do Tesouro dos EUA. Em tempos normais, a taxa de curto prazo é menor que a de longo prazo, já que as pessoas querem retornos maiores para deixar seu dinheiro imobilizado por mais tempo. Mas há momentos em que a curva se inverte e os juros de curto prazo ficam maiores que os de longo prazo. Isso quase sempre significa o prenúncio de uma recessão, porque o corte de juros é a principal ferramenta do banco central para estimular a economia. A curva ainda não se inverteu, mas está perto disso. A grande dúvida não é mais se, mas sim quando a recessão virá. Se for em 2020, isso poderá ser fatal para a reeleição de Trump.

Ainda que ele vença, a política externa ideológica de Bolsonaro pode provocar danos profundos à imagem externa do Brasil, que demandará anos para ser reconstruída. A rejeição ao Acordo de Paris pode ser popular entre os seguidores de Trump, mas é vista como uma péssima decisão pela maioria das nações. Pesquisa do Pew Research em 25 países indicou que apenas 27% dos entrevistados declararam ter confiança de que o presidente americano fará a “coisa certa” em questões mundiais -70% se mostraram céticos. Em um resultado que revela a distância entre Trump e o mundo, um percentual maior de entrevistados disse confiar no chinês Xi Jinping (34%) e no russo Vladimir Putin (30%).