China e EUA, os dois lados da crise

Cláudia Trevisan

20 de novembro de 2008 | 04h42

Com o maior volume de reservas internacionais do mundo, a China ultrapassou o Japão e se tornou o principal financiador do déficit norte-americano, acumulando um total de US$ 585 bilhões em títulos do Tesouro em setembro.
A consolidação da China como maior credor dos Estados Unidos evidencia a enorme dependência entre os dois países desenvolvida ao longo desta década e que é o elemento central dos “desequilíbrios globais” que levaram à crise atual.
Os norte-americanos só puderam gastar além de seus recursos nos últimos anos porque os chineses estavam dispostos a financiá-los por meio da compra de títulos do Tesouro.
O déficit em conta corrente dos Estados Unidos foi acompanhado da explosão do superávit chinês, que no ano passado atingiu 10% do PIB. Até o fim do ano, as reservas internacionais da China vão atingir US$ 2 trilhões e terão crescido US$ 500 bilhões apenas em 2008. O valor é mais que o dobro do total de US$ 200 bilhões das reservas brasileiras.
No mês de setembro, a China aumentou em US$ 43,6 bilhões o volume de títulos do Tesouro em seu poder, para US$ 585 bilhões, ultrapassando o Japão, que detém US$ 573,2 bilhões. De acordo com dados do Tesouro norte-americano, o Brasil manteve o quarto lugar entre os principais financiados dos Estados Unidos, com US$ 141,9 bilhões, abaixo da Inglaterra.
A participação da China será crucial para os Estados Unidos obterem recursos para financiar o pacote de US$ 700 bilhões de socorro ao sistema financeiro aprovado no mês passado.
O superávit comercial do país asiático com o restante do mundo é a principal fonte do crescimento de suas reservas internacionais. Em outubro, a diferença entre exportações e importações atingiu o recorde de US$ 35 bilhões.
No ano passado, o superávit da China cresceu 48% e chegou ao recorde de US$ 262 bilhões. Os Estados Unidos são o país com o qual o desequilíbrio é maior: só em 2007, o déficit norte-americano com os chineses somou US$ 256 bilhões.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.