Na véspera da Copa, mundo vê Brasil de maneira positiva

Cláudia Trevisan

11 de junho de 2014 | 12h59

Apesar da onda de pessimismo que tomou conta de seus habitantes na véspera da Copa do Mundo, o Brasil é visto de maneira positiva pela maioria dos moradores de 24 países, segundo pesquisa do Pew Research Institute divulgada nesta terça-feira. Os mais simpáticos ao país estão na América Latina, onde o Chile lidera o ranking, com 74% declarando ter opinião favorável ao Brasil.

O instituto realizou o levantamento em 37 países, dentro de seu projeto Global Attitudes. Desses, apenas três têm visão mais negativa do que positiva do Brasil: Jordânia (com 70% desfavoráveis e 30% favoráveis), Turquia (65% a 20%) e Egito (64% a 35%). Em outros seis, as posições positivas superam as negativas, mas não ultrapassam os 50%. Em um, elas empatam. Na média dos 37 países, 54% dos entrevistados têm opinião favorável do Brasil e 25%, desfavorável. Os demais 21% não se manifestaram.

Em outro levantamento do Pew Institute divulgado na semana passada, 76% dos brasileiros disseram que seu país deveria ser mais respeitado no mundo do que atualmente é. Na mesma pesquisa, 38% dos entrevistados disseram que a realização da Copa do Mundo vai prejudicar a imagem do Brasil, enquanto 35% disseram que vai ajudar e 23% opinaram que o evento não terá impacto sobre a percepção do país.

Entre os parceiros do BRICS, só os russos tem uma posição claramente positiva do Brasil, com 63% -17% veem o país de maneira negativa e 20% não opinaram. Na China, há quase um empate: 43% declaram opinião favorável e 41%, desfavorável. Os restantes 16% não se manifestaram. De todos os pesquisados, a Índia é a que registra o maior grau de indiferença em relação ao Brasil: 52% disseram não ter posição sobre o país. Os restantes 48% se dividem rigorosamente ao meio, com 24% declarando opinião favorável e 24%, desfavorável.

Nos Estados Unidos, 51% veem o Brasil de maneira positiva e 26%, negativa –os demais 23% não opinaram. Depois do Chile, os países da América Latina com opinião mais favorável ao Brasil são Venezuela (67% a 24% desfavoráveis), Peru (66% a 16%), Nicarágua (59% a 14%), Colômbia (56% a 16%) e Argentina (56% a 19%). No caso dos argentinos, o resultado representa uma queda em relação ao ano passado, quando três quartos dos entrevistados manifestaram uma visão positiva do Brasil.

Na Europa, os franceses (66% a 33%) e os poloneses (62% a 16%) lideram o ranking dos que têm opinião mais favorável sobre o Brasil. Na Itália, 50% veem o país de maneira positiva e 40%, negativa. O resultado é um pouco melhor que os da Alemanha (49% a 35%) e Espanha (47% a 40%).

Coreia do Sul e Japão são os países da Ásia que veem o Brasil de maneira mais positiva, com 63% a 17% e 61% a 25%, respectivamente. O Oriente Médio é a região de opiniões mais contrastantes. Enquanto Jordânia, Turquia e Egito dão as piores resultados da pesquisa, Israel e Líbano expressam posições mais positivas do que negativas, com 59% a 31% e 54% a 36%, respectivamente. Apesar de o Brasil ser um dos principais defensores da criação de um Estado palestino independente, os palestinos não são grandes entusiastas do Brasil: 45% dizem ter uma visão positiva do país e 33%, negativa.

Entre os três países da África pesquisados, os moradores da Tanzânia têm a visão mais favorável do Brasil, com 61% a 15%, seguidos dos senegaleses (59% a 17%). Em Uganda, 48% declararam ter um visão positiva, contra 19% que disseram ver o Brasil de maneira negativa.

O levantamento também mostra que em 22 dos 37 países, a população de 18 a 29 anos têm opinião muito mais favorável do Brasil do que a faixa de 50 anos ou mais. As diferenças mais acentuadas estão na Inglaterra e no Vietnã, onde o percentual dos jovens que têm opinião positiva do país é de 71% e 77%, respectivamente. Entre os ingleses com 50 anos ou mais, o índice é de 38%. Entre os vietnamitas mais velhos, ele é de 44%.