O isolamento virtual da Coreia do Norte

Cláudia Trevisan

12 de abril de 2012 | 08h33

Os norte-coreanos são desplugados do mundo: não têm internet nem TV a cabo e seus celulares não podem fazer ligações para o exterior. A informação é rigorosamente controlada e a propaganda oficial apresenta a dinastia estalinista fundada por Kim Il-sung como a responsável por tudo de bom que acontece no país. Segundo a versão oficial dos fatos, a fome que matou estimadas 2 milhões de pessoas nos anos 90 e pode matar mais agora é consequência de desastres naturais e não da má-gestão e isolamento do país.

No lugar da rede mundial de computadores, os cidadãos comuns usam uma intranet, na qual só podem acessar sites norte-coreanos. A internet é reservada a alguns privilegiados, a diplomatas estrangeiros e jornalistas em visita ao país autorizadas pelo governo. Para viabilizar o trabalho do grupo de repórteres que está em Pyongyang, o governo montou uma sala de imprensa com internet no hotel onde estamos hospedados. Não temos internet no quarto. Como todos os estrangeiros que entram no país, fomos obrigados a deixar nossos celulares no aeroporto.

Os jovens norte-coreanos não sabem o que é facebook ou twitter, não escutam rock, não vão a danceterias nem jogam videogames. Como todos no país, levam na roupa botoms com a imagem de Kim Il-sung, que é venerado como um semi-deus pela propaganda oficial. Quando visitamos a universidade Kim Il-sung na quarta-feira, muitos dos estudantes que estavam diante de computadores na biblioteca liam na tela obras de Kim Il-sung. Essa é a universidade de elite do país, para onde são enviados os melhores estudantes. Kim Il-guang, 30, disse que um de seus websites preferidos na intranet é o dedicado à ideologia Juche concebida, claro, por Kim Il-sung. Ela é o extremo oposto da globalização e prega a auto-suficiência da Coreia do Norte em todos os campos.

Mas o país está longe de andar com as próprias pernas. Durante o período soviético, a Coreia do Norte recebeu generosa ajuda da ex-União Soviética e fazia parte do bloco comunista que se opôs aos americanos na Guerra Fria. Com o desmantelamento da URSS, a economia da Coreia do Norte começou a se desestruturar e um misto de má-gestão, isolamento e desastres naturais levaram à grande fome dos anos 90.

Agora, eles enfrentam uma nova onde de falta de alimentos, que tentam amenizar atraindo doações internacionais _o Brasil vai enviar 5.000 toneladas de feijão ao país. O World Food Program estima que 6 milhões dos 24 milhões de norte-coreanos receberão menos comida do que necessitam em 2001, em parte como consequência do inverno severo. Isso significa que um quarto da população de 24 milhões de pessoas corre o risco de inanição.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: