O mandarim e o computador

Cláudia Trevisan

11 de maio de 2008 | 01h15

Vocês já se perguntaram como é usar o computador para escrever em uma língua que não tem o alfabeto a, b, c, d etc. e é formada por milhares de sinais como 異 e 能, que não cabem em nenhum teclado existente? Eu jamais havia pensado nisso, até ver minha assistente escrever no seu computador. Para a comunicação do dia-a-dia, os chineses precisam saber pelo menos 2.000 caracteres e uma pessoa educada deve dominar no mínimo o dobro disso. Apesar de os teclados dos computadores na China serem iguais aos do ocidente, é possível utilizá-los para escrever esses milhares de símbolos.

O que torna isso possível é o uso do “pinyin”, que é a transliteração no alfabeto latino do som das palavras chinesas. O símbolo 我 quer dizer “eu” e sua pronúncia é “wo”. Se quiser escrever este ideograma, a pessoa deve digitar “wo” em seu teclado. O problema é que não há apenas um “wo”, mas 59, cada um com um significado diferente. Alguns têm pronúncia distinta, de acordo com os quatro tons da língua chinesa, mas muitos têm o mesmo som e são escritos com ideogramas que significam coisas diversas.

Quando digita “wo” em seu teclado, um chinês vê na tela os nove símbolos mais utilizados para representar esse som. Se não encontrar o que procura, deve clicar na flechar no fim da fila para ver os nove ideogramas seguintes e assim por diante, até encontrar o que procura.

Para escrever a frase “eu moro na China”, a pessoa não terá muito trabalho, já que todos os cinco ideogramas necessários serão os primeiros a aparecerem na lista de dezenas de opções disponíveis. Em pinyin a frase é “wo zhu zai Zhongguo”, acrescida dos sinais que marcam os tons (em cima do “o” do “wo”, por exemplo, aparece um acento circunflexo ao contrário, para indicar o terceiro tom). Em mandarim, a frase será 我住在中国.

Se quiser escrever “lesma”, a pessoa precisará de dois caracteres: a quinta opção de “wo” e a primeira opção de “niu 蜗牛. A oitava entre as possibilidades de “zhu” é “porco”,猪, e a nona, “bambu”, 竹.

Os chineses também usam esse método para digitar mensagens de textos em seus telefones celulares, uma verdadeira febre no país. Só no ano passado, quase 400 bilhões de mensagens de textos foram trocadas na China. Em qualquer restaurante, bar, danceteria, ônibus, metrô há várias pessoas grudadas no celular, escrevendo frases com uma destreza invejável.
Se vocês quiserem experimentar escrever em chinês, podem trocar a opção de idioma de seus computadores para “Chinês (República Popular da China)” e digitar qualquer som para ver as opções que aparecem. A menos que você leia mandarim, será impossível saber o significado dos ideogramas, mas é pode ser uma brincadeira divertida.

PS: os computadores de alguns leitores não serão capazes de ler os ideogramas escritos acima e mostrarão pequenos quadrados em seu lugar, por não terem o programa apropriado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.