Olha a cabeleira do Hu!

Olha a cabeleira do Hu!

Cláudia Trevisan

12 de março de 2009 | 06h12

As reuniões do Congresso Nacional do Povo, que se repetem a cada ano em Pequim, são célebres por seu tédio e previsibilidade. Antes que elas comecem, a cúpula do Partido Comunista já decidiu o que será aprovado pelos cerca de 3.000 delegados nas quase duas semanas de reuniões _neste ano, o encontro foi reduzido a nove dias, sob o pretexto de economizar recursos em tempos de crise. Em geral, os projetos submetidos aos representantes são aprovados por unanimidade ou por ampla maioria de votos. Há exceções, como a proposta de construção da mega-usina de Três Gargantas, que gerou debates intensos em 1992 e levou quase um terço dos delegados a se absterem ou votarem contra o projeto.

Mesmo com a reduzida margem de manobra, o Congresso serve para que Pequim tome o pulso do humor do restante do país, por meio dos relatos e pedidos dos delegados vindos do interior. O encontro também tem um forte caráter simbólico e dá ao Partido Comunista a oportunidade de transmitir ao país e ao mundo uma imagem de unidade, que muitos acreditam ser falsa. Como qualquer organização política, o partido é dividido em facções, que disputam influência e poder.

Entre os elementos que compõem a imagem de unidade, um dos mais prosaicos é a semelhança de estilos entre nove homens que integram o Comitê Permanente do Politburo, o órgão máximo de poder na China, liderado pelo presidente Hu Jintao, o presidente do Congresso Nacional do Povo, Wu Bangguo, e o primeiro-ministro, Wen Jiabo. Os nove comparecem aos encontros com ternos escuros, quase pretos, camisas brancas, gravatas vermelhas ou azuis e cabelos pretos retintos, ainda que muitos tenham quase 70 anos.

O fato de que os poderosos da China pintam seus cabelos de preto não é segredo para ninguém. Entre os 25 integrantes do Politburo que exerceram o poder até outubro de 2007, uma das poucas cabeças brancas era a de uma mulher, Wu Yi, que se aposentou naquele encontro. A obsessão pelos cabelos pretos não se restringe à cúpula do poder e permeia toda a sociedade. É raro encontrar um chinês grisalho e muitos associam os cabelos pretos à virilidade. Tenho um amigo brasileiro que estava grisalho por volta dos 40 e não parecia ter problemas com isso até que começou a namorar a sério uma chinesa. Tão a sério que apareceu da noite para o dia com os cabelos totalmente pretos.

Além da questão da virilidade, há outras teorias que tentam explicar o império do Grecian 2000 em terras chinesas. Em seu livro “China´s New Confucionism”, o professor Daniel Bell atribui a adesão à tintura pelos donos do poder aos valores do confucionismo e à idéia de que as “pessoas de cabelos brancos” devem ser objeto de cuidados e não ter a responsabilidade de cuidar dos outros.

Para que vocês não achem que estou exagerando, aí algumas fotos dos dirigentes chineses tiradas da página na internet do jornal oficial do Partido Comunista, o Diário do Povo:

O presidente Hu Jintao, 66

O presidente do Congresso Nacional do Povo, Wu Bangguo, 67

O primeiro-ministro Wen Jiabao, 66

Aqui uma foto não retocada de Hu Jintao e Wen Jiabao

Agora, algumas fotos que eu tirei nesta semana:
A entrada do Grande Palácio do Povo, onde o congresso é realizado; o edifício fica em frente à Praça da Paz Celestial (Tiananmen)

A Praça da Paz Celestial no momento da saída dos delegados

Soldados em frente à Cidade Proibida, que fica na diagonal do Grande Palácio do Povo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.