Prazer, meu nome é Quadrado Quadrado!

Cláudia Trevisan

07 de maio de 2008 | 06h39

Navegar nos monossilábicos nomes chineses é um dos maiores desafios sociais de estrangeiros em Pequim, especialmente daqueles pouco versados no mandarim, como eu. Ser capaz de lembrar como as pessoas se chamam em um mundo de Li, Liu, Lu, Zhang, Jiang, Wang, Wu, Wei, Han, Hu pode ser um pesadelo, amenizado pelo fato de que muitos chineses adotam nomes ocidentais quando se relacionam com estrangeiros. Minha intérprete se chama Wu Dan Dan, mas também responde como Wendy.

Os chineses normalmente se apresentam pelo sobrenome, que vem antes do nome, ao contrário do que ocorre no Ocidente. O presidente Hu Jintao, por exemplo, se chama Jintao e o nome de sua família é Hu. Apenas pessoas muito próximas se chamam pelo nome e a regra é a utilização do sobrenome nas relações profissionais e sociais.

Além de monossilábicos e parecidos, os nomes de família chineses são pouquíssimos para uma população de 1,3 bilhão de pessoas, o que aumenta ainda mais a confusão aos ouvidos ocidentais. Apesar de haver uma lista de 4.000 sobrenomes registrados no Ministério de Segurança Pública, apenas 100 são realmente populares e adotados por um universo de 1 bilhão de habitantes. Como muitos têm o mesmo nome, isso leva a um fenômeno tipicamente chinês, que é a existência de milhares de pessoas que se chamam exatamente da mesma maneira.

As estatísticas mostram que existem quase 300 mil Zhang Wei e outros 280 mil Wang Wei. Os sobrenomes mais comuns são Wang e Li, cada um utilizado por nada menos que 93 milhões de pessoas. Em seguida aparece Zhang, com um universo de 80 milhões, mais que o dobro da população da Argentina.

Os chineses levam a sério a escolha dos nomes de seus filhos e a maioria deles carrega significados que refletem a expectativa dos pais ou o momento histórico pelo qual o país passa. A vitória da Revolução Comunista em 1949 levou ao surgimento de nomes carregados de fervor revolucionário, como Hong Qi (Bandeira Vermelha), Jianguo (Fundação do País), Hong (Vermelho), Hongjun (Exército Vermelho) e Gongshe (Comuna).

A reforma capitalista implantada a partir de 1978 por Deng Xiaoping fez com que muitos pais se inspirassem no lema “o enriquecer é glorioso”, cunhado pelo líder comunista, no momento de batizar seus filhos. Minha intérprete tem um colega cujo sobrenome é Qian (Dinheiro) e que foi batizado de Duo Duo (Muito Muito), uma escolha que seria absolutamente impensável nos 30 anos de supremacia maoísta.

Outros nomes têm significados que parecem bizarros para os estrangeiros, mas são normais para os chineses, como Fang Fang (Quadrado Quadrado). Em um país de filhos únicos, os primos muitas vezes são batizados como nomes que “dialogam” entre si. Assim, Fang Fang tem uma prima que se chama Yuan Yuan (Círculo Círculo). A pronúncia do nome de minha intérprete, Dan Dan, é semelhante à de Ímpar Ímpar. Quando sua prima nasceu, foi batizada de Shuang Shuang (Par Par).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.