Alemanha lembra 27 anos da queda do Muro de Berlim diante da vitória de Trump

Alemanha lembra 27 anos da queda do Muro de Berlim diante da vitória de Trump

Data foi lembrada como começo da abertura de fronteiras na Europa, mesmo em um momento no qual muitos países europeus estão estão construindo novas cercas

Redação Internacional

09 de novembro de 2016 | 11h16

BERLIM – A capital alemã lembrou nesta quarta-feira, 9, os 27 anos da queda do Muro de Berlim diante do auge do populismo em muitas partes da Europa e da vitória do republicano Donald Trump para presidente nos EUA.

Os dois assuntos estiveram presentes durante o ato central realizado no monumento às vítimas na cidade, com a assistência do prefeito-governador de Berlim, Michael Müller, e com a participação de alunos de colégios noruegueses, franceses e alemães.

Candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump (Foto: REUTERS/Jonathan Ernst)

Candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump (Foto: REUTERS/Jonathan Ernst)

A queda do Muro, em 9 de novembro de 1989, foi lembrada como o começo da abertura de fronteiras na Europa, justamente em um momento no qual muitos países europeus estão estão construindo novas cercas.

“As fronteiras abertas eram o resultado da consciência de que a guerra não devia voltar nunca, mas não aprendemos nada. Na Europa voltam a ser construídos muros, os populistas têm conjuntura e o resultado eleitoral de ontem à noite nos EUA faz temer pela paz do mundo”, disse Hildigund Neubert, presidente de uma iniciativa cidadã que se encarrega de manter viva a lembrança das pessoas que morreram na linha de separação.

“O populismo cresce em todas partes e há pessoas que se sentem com isso estimuladas a recorrer à violência”, acrescentou.

Depois, no entanto, Hildigund lembrou que a queda da cerca em Berlim havia mostrado que era possível a resistência pacífica. “A queda do Muro não foi um ato violento, o Muro era uma obra da violência”, disse. / EFE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.