Apesar da elegância, Melania Trump ainda precisa conquistar os americanos como primeira-dama

Apesar da elegância, Melania Trump ainda precisa conquistar os americanos como primeira-dama

Mulher do presidente eleito nos EUA, eslovena teve de se desviar de algumas polêmicas durante campanha do marido

Redação Internacional

09 de novembro de 2016 | 10h42

WASHINGTON – Melania Trump soma elegância e glamour à presidência de Donald Trump, mas a ex-modelo enfrenta um duro caminho para ser aceita como a nova primeira-dama dos EUA.

Nascida na Eslovênia há 46 anos, mostrou sua personalidade durante um discurso pronunciado no momento de maior audiência durante a convenção republicana realizada em julho, cativando uma audiência de delegados entusiastas.

Melania Trump, mulher do presidente americano eleito Donald Trump (AP Photo/Patrick Semansky)

Melania Trump, mulher do presidente americano eleito Donald Trump (AP Photo/Patrick Semansky)

Mas a oportunidade de contar aos EUA sua história deu uma guinada inesperada. Meios de comunicação americanos detectaram semelhanças chocantes com um discurso pronunciado pela atual primeira-dama, Michelle Obama, na convenção democrata de 2008. Seu marido se posicionou rapidamente em seu apoio, mas nunca reconheceu que houvesse plágio.

“Foi realmente uma honra apresentar minha mulher, Melania. Seu discurso e aprumo foram realmente incríveis. Muito orgulhoso”, afirmou o milionário.

Dias depois, em um jantar beneficente, o próprio Trump fez uma brincadeira sobre o discurso de sua esposa. “Michelle Obama pronuncia um discurso e todos o elogiam. É fantástico, pensam que é absolutamente impressionante. Minha esposa faz exatamente o mesmo discurso e as pessoas a criticam. Não entendo”, afirmou.

Recentemente, Melania precisou enfrentar outra situação embaraçosa ante o escândalo provocado pela publicação de um áudio de 2005, no qual seu marido se gaba de se aproveitar de mulheres impunemente por ser uma pessoa famosa. Como consequência, mais de uma dezena de mulheres acusaram o republicano de assédio sexual.

Melania, sempre discreta e prudente, apareceu apenas uma vez na campanha que levou seu marido à inesperada vitória nas eleições presidenciais desta quarta-feira.

Privilégios. Batizada com o nome de Melanija Knavs, filha de uma mãe ativa nos círculos da moda e de um pai vendedor de automóveis, a mulher de Trump estudou desenho e arquitetura antes de se mudar para Milão e, posteriormente, Paris, para iniciar uma carreira como modelo.

A profissão a levou aos EUA em 1996, onde dois anos mais tarde conheceu Trump. Sua experiência no país foi certamente diferente da vivida pela maioria dos imigrantes.

Sua conta no Twitter, inativa desde que Trump anunciou sua candidatura, reflete o estilo de vida privilegiado: deslocando-se de seu luxuoso apartamento em Nova York para residências na Flórida em um avião privado.

Quando Donald e Melania se casaram, em janeiro de 2005 na Flórida, ela usou um vestido Dior cujo custo foi estimado em US$ 200 mil.Entre os artistas convidados estavam a própria Hillary Clinton, candidata presidencial democrata que foi derrotada. / AFP

Tudo o que sabemos sobre:

Donald TrumpMelania Trump

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.