Ato em Londres reclama a Trump: ‘Construa pontes, não muros”

Ato em Londres reclama a Trump: ‘Construa pontes, não muros”

Manifestantes se reuniram na icônica Tower Bridge, onde seguravam cartazes em cor rosa; outros protestos tomaram conta de Londres e estão planejados ao redor do mundo, de Sidney a Toronto

Redação Internacional

20 Janeiro 2017 | 11h09

LONDRES – Uma faixa em cor rosa com os dizeres “construa pontes, não muros” foi exposta nesta sexta-feira na Tower Bridge, icônica ponte de Londres, como parte de uma série de protestos contra a posse do republicano Donald Trump na presidência dos Estados Unidos.

Não apenas na Inglaterra e nos Estados Unidos, há protestos planejados para acontecer em outras partes do mundo, de Toronto a Sidney, passando por Addis Ababa e Dublin, nesta sexta-feira, dia da posse de Trump.

Cartazes com os dizeres

Cartazes com os dizeres “construa pontes, não muros” e “aja agora” durante protesto na Tower Bridge, em Londres. (FOTO TOBY MELVILLE/REUTERS)

Em Londres, pelo menos outras quatro pontes receberam faixas de protesto: Westminster, London Bridge, Vauxhall e North Bridge.

Na Tower Bridge, acima de onde a faixa “construa pontes, não muros” estava pendurada, manifestantes seguravam letras grandes em cor rosa onde se lia “aja agora”, e uma lancha cruzava o rio Tâmisa com uma bandeira preta onde também estava escrito “construa pontes, não muros”.

Perto do Parlamento britânico, na ponte Westminster, as faixas diziam “migrantes são bem-vindos aqui” e “a migração é mais antiga que a linguagem”.

Julie Chasin, professora de 42 anos oriunda de Nova York e que morou em Londres por uma década, disse que se juntou à manifestação na Tower Bridge por estar preocupada com o republicano na presidência americana.

Cartazes ao longo da ponte de Westminster, em Londres, falam sobre migração. (FOTO PETER NICHOLLS/REUTERS)

Cartazes ao longo da ponte de Westminster, em Londres, falam sobre migração. (FOTO PETER NICHOLLS/REUTERS)

“Sim, Donald Trump é presidente, mas ele ainda precisa respeitar os direitos de todos”, disse Chasin, democrata que diz ter trabalhado na campanha de Hillary Clinton na Carolina do Norte. “É assustador. Eu espero que todo mundo que me diz para não ficar preocupada esteja certo.”

Trump tem se comprometido repetidamente a “fazer a América ótima de novo” (segundo o slogan “make America great again”) e já disse no Twitter que vai lutar para fazer de seu governo uma boa jornada para o povo americano.

Em Londres, o protesto foi organizado pelo grupo também chamado Bridges not Walls (pontes, não muros), em referência à promessa de Trump de construir um muro ao longo da fronteira dos EUA com o México.

Opositores de Trump criticam seus comentários sobre mulheres, imigração ilegal e islamismo, além de sua promessa de acabar com o Obamacare e de construir o muro na borda do México. Já apoiadores do republicano admiram sua experiência em negócios e o veem como um outsider que trará ar fresco para a política.

Para alguns dos manifestantes em Londres, a vitória de Trump poucos meses depois do êxito do Brexit simboliza um crescimento do populismo de extrema direita no Ocidente. “Para mim, não é apenas a posse de Trump, mas o crescimento do populismo de extrema direita na Europa e nos Estados Unidos, e a posse de Trump é a celebração disso”, disse Jac St John, de 26 anos, estudante, que participava do protesto em Londres. / REUTERS