Barack Obama: esperançoso quanto ao futuro dos EUA e pronto para dar lugar a Hillary

Barack Obama: esperançoso quanto ao futuro dos EUA e pronto para dar lugar a Hillary

Com popularidade superior a 50%, presidente acredita que ex-secretária de Estado é a pessoa ideal para guiar um país dividido, longe ainda da reconciliação racial

Redação Internacional

28 de julho de 2016 | 11h14

FILADÉLFIA, ESTADOS UNIDOS – Apesar da fama de frio e imperturbável, na reta final de seu mandato o presidente americano Barack Obama relaxou e mostrou seu lado emotivo contra a violência armada, sua indignação com relação a Donald Trump, um apreço sincero pela candidata democrata à Casa Branca Hillary Clinton e, acima de tudo, seu enraizado otimismo.

Esperançoso sobre o futuro do país, emocionado em alguns momentos e incomodado em outros. Assim Obama se expressou na quarta-feira em seu discurso na Convenção Nacional Democrata para apoiar a candidatura presidencial de sua colega Hillary.

Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, discursa no terceiro dia da convenção democrata

Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, discursa no terceiro dia da convenção democrata (Foto: AFP PHOTO / SAUL LOEB)

Neste mesmo ano, ele já havia se recusado a falar na cerimônia de graduação do ensino médio de sua filha mais velha, Malia, porque, segundo disse, não teria conseguido conter as lágrimas e não queria envergonhá-la.

Mas, em janeiro, não pôde ou não quis conter-se quando discursou na Casa Branca para apresentar novas medidas executivas sobre o controle das armas de fogo e, entre lágrimas, lembrou das 20 crianças assassinadas no massacre na escola Sandy Hook de Newtown, em Connecticut, em 2012.

“Cada vez que penso nessas crianças me enfureço”, declarou então Obama, que também chorou diante das câmeras no dia em que aconteceu o ataque e cuja maior frustração como presidente foi o fracasso de seus esforços contra a violência causada pelo uso das armas nos Estados Unidos.

Outro massacre recente, o de junho de 2015 em uma igreja da comunidade negra em Charleston, também comoveu o presidente, que se deixou levar pela emoção durante a homenagem às vítimas quando cantou “Amazing Grace”, um hino cristão sobre a força da fé.

Libertado do cabresto inerente às campanhas políticas, Obama não se conteve para denunciar, visivelmente incomodado, a xenofobia de Trump, candidato republicano à Casa Branca. “Onde isto vai parar?”, questionou o presidente em junho sobre a retórica xenófoba do magnata após a morte de 49 pessoas em uma casa noturna de Orlando voltada para o público LGBT.

Além de Trump, Obama também falou, alto e claro, contra a postura da política atual frente à “magnitude” dos desafios enfrentados pelo país. “É um dos poucos pesares de minha presidência, que o rancor e a desconfiança entre os partidos tenham piorado ao invés de melhorar”, reconheceu em seu último discurso sobre o Estado da União.

“Não podemos avançar se tudo o que fazemos é destroçar uns aos outros”, advertiu em fevereiro em Springfield perante a Assembleia Geral de Illinois, em cuja escadaria apresentou sua primeira candidatura à Casa Branca em 10 de fevereiro de 2007.

Agora, com uma popularidade superior a 50%, “acredita” em Hillary Clinton para guiar um país dividido, longe ainda da reconciliação racial que ele defendeu em seu memorável discurso na Convenção Democrata de 2004.

Não decidiu, ou não quer contar, o que pensa em fazer após deixar a Casa Branca em janeiro, mas por enquanto viverá com sua família em Washington, em um bairro do noroeste da cidade, para que sua filha mais nova, Sasha, possa terminar o ensino médio.

Em várias ocasiões, Obama comentou que quando terminar seu mandato seguirá sendo “muito jovem”, e se vê voltando “a fazer o tipo de trabalho que fazia antes”, quando foi advogado de direitos civis em Chicago. A cidade é o lar de sua mulher, Michelle. A família mantém sua casa na parte sul da região, mesma área onde será construída a biblioteca sobre seu legado presidencial.

Obama nasceu um 4 de agosto de 1961 no Havaí, o Estado mais jovem e distante dos Estados Unidos, e recebeu o nome de Barack como seu pai, um economista queniano educado em Harvard. Mas quem realmente lhe marcou foi sua mãe, Stanley Ann Dunham, uma antropóloga do Kansas.

Após a separação de seus pais quando tinha apenas dois anos, o pequeno Barack Hussein voltou a ver seu pai somente mais uma vez, e o novo casamento de sua mãe o levou ao país de seu padrasto, a Indonésia, onde se educou em escolas muçulmanas e católicas.

Veja abaixo: Obama usa capital político para reforçar candidatura de Hillary

Quando tinha 10 anos, sua mãe o enviou outra vez ao Havaí, com seus avós, para que recebesse uma educação melhor. Em sua adolescência, teve contratempos com as drogas e estava mais interessado em basquete que em livros, mas foi um aluno brilhante e estudou Política na Universidade de Columbia e Direito em Harvard.

Sua avó materna, Madelyn Payne Dunham, que morreu no dia anterior de seu triunfo eleitoral em 4 de novembro de 2008, o inspirou a pensar grande. Ela “acreditava na promessa fundamental do sonho americano” da recompensa ao trabalho duro, e “nos ressuscitou” com seu exemplo, segundo confessou Michelle, a advogada com a qual Obama compartilha sua vida desde 1992. / EFE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.