Movimento negro é divisionista, diz Donald Trump

Provável candidato republicano critica movimento Black Lives Matter e o culpa por causar uma divisão nos EUA

Redação Internacional

13 Julho 2016 | 18h17

WASHINGTON – Em meio à tensão racial nos Estados Unidos, o provável candidato republicano à presidência americana, Donald Trump, afirmou que o movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) está “dividindo a América”.

A declaração foi dada na terça-feira, à Fox News, após uma semana de protestos contra as mortes de negros por policiais brancos nos EUA. Também há sete dias, Micah Xavier Johnson disparou contra policiais brancos durante uma manifestação pacífica desse movimento, matando cinco policiais.

Trump descreveu o nome do movimento como “muito divisionista” e criticou os supostos pedidos de homenagem ao atirador de Dallas – segundo o magnata, membros do movimento teriam feito um minuto de silêncio para Xavier Johnson.  “Eu poderia dizer que eles estão dividindo a América”, afirmou Trump. “Acho que estão machucando a si mesmo.”

O provável candidato disse que as mortes de Alton Sterling e Philando Castile – os dois negros mortos por policiais na semana passada – “são muito, muito tristes”. Ele especificamente criticou a ação do policial que atirou contra Sterling em Baton Rouge (Louisiana). “Foi uma performance repugnante e terrível do policial.”

Na mesma entrevista, Trump afirmou ser um “grande fã da aplicação da lei” e, segundo ele, os vídeos com as ações policiais “não mostram todo o bom trabalho que a polícia faz”.

O magnata não deixou de criticar o presidente Barack Obama, a quem chamou de “divisor-em-chefe” e o culpou pela falta de um espírito nacional para lidar com as tensões raciais atuais no país. “As coisas vão muito mal e ficarão ainda piores antes de melhorar.”

Lincoln. A adversária de Trump, a democrata Hillary Clinton, por sua vez, o acusou de “alimentar divisões” entre os americanos. “(Sua campanha) é construída em meio à desconfiança e esta colocando americanos contra americanos”, declarou Hillary durante em um comício em Springfield, Illinois. Nessa cidade nasceu Abraham Lincoln, o icônico presidente americano republicano, cujo legado é citado por ambos os partidos.