UE quer ‘trabalhar junto’ com Trump, mas ‘redescobrir a força europeia’

UE quer ‘trabalhar junto’ com Trump, mas ‘redescobrir a força europeia’

Em primeira declaração sobre o resultado das eleições americanas, Federica Mogherini não parabenizou o vencedor

Redação Internacional

09 de novembro de 2016 | 06h50

Andrei Netto

CORRESPONDENTE/PARIS

A União Europeia reconheceu no início da manhã desta quarta-feira, 9, o resultado das eleições presidenciais americanas que resultaram na eleição de Donald Trump e anunciou que Bruxelas manterá as relações políticas com Washington. “Os laços entre a UE e os Estados Unidos são mais profundos do que qualquer mudança política”, afirmou a alta representante para Relações Exteriores, Federica Mogherini.

A postura de Federica Mogherini reflete a preferência clara dos europeus pela candidata democrata Hillary Clinton (Foto: François Lenoir/Reuters)

A postura de Federica Mogherini reflete a preferência clara dos europeus por Hillary (Foto: François Lenoir/Reuters)

No entanto, a declaração, feita via Twitter, teve um formato inusual: ela não mencionou o nome de Donald Trump e não o parabenizou pela vitória. “Nós vamos continuar a trabalhar juntos, redescobrindo a força da Europa”, completou.

A postura da chefe de diplomacia da União Europeia reflete a preferência clara dos europeus pela candidata democrata Hillary Clinton, que perdeu as eleições para Donald Trump. De acordo com pesquisa do Conselho Europeu de Relações Internacionais (ECFR) sobre a opinião de autoridades governamentais dos 28 países-membros da união, apenas o governo da Hungria, nas mãos de Viktor Orban, era favorável à candidatura de Trump.

O extremista de direita foi o primeiro dos líderes europeus a se manifestar sobre o resultado. “Felicitações”, disse ele, em sua página de Facebook. “Que boa notícia. A democracia continua viva.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.