Candidata do Partido Verde pede recontagem de votos em Wisconsin

Jill Stein arrecadou pela internet o dinheiro necessário para a verificação dos votos em três Estados onde Trump saiu vitorioso

Redação Internacional

25 de novembro de 2016 | 20h37

WASHINGTON – A ambientalista Jill Stein, que disputou a presidência dos Estados Unidos pelo Partido Verde, apresentou nesta sexta-feira uma petição para a recontagem dos votos das eleições presidenciais no Estado de Wisconsin, onde o candidato republicano Donald Trump foi o vencedor, informou o Comitê Eleitoral do Estado.

Nesta semana, Stein fez uma campanha de arrecadação de fundos via internet para promover a recontagem de votos em alguns dos Estados considerados chave para vencer as eleições americanas, como Pensilvânia e Michigan, além de Wisconsin. De acordo com a campanha de
Stein, a candidata havia conseguido levantar US$ 4,7 milhões, mais que os US$ 4,5 milhões necessários para dar entrada no pedido de verificação dos votos nos três Estados.

Jill Stein, que disputou a Casa Branca pelo Partido Verde, está arrecadando dinheiro para recontagem do votos (Foto: Paul J. Richards/ AFP)

Jill Stein, que disputou a Casa Branca pelo Partido Verde, arrecadou dinheiro para recontagem do votos (Foto: Paul J. Richards/ AFP)

“Os resultados inesperados dessas eleições e as anomalias relatadas precisam ser investigadas. Nós merecemos eleições em que possamos confiar”, disse a candidata do Partido Verde.

Trump foi o primeiro candidato do Partido Republicano a vencer em Wisconsin desde 1984. Até o momento, a campanha da candidata democrata Hillary Clinton não comentou sobre o pedido de recontagem dos votos.

Jill afirmou que estava agindo em favor da recontagem em razão de “evidências convincentes de anomalias nos votos” e por análises de dados indicarem “significantes discrepâncias no total de votos” divulgados pelas autoridades. “Essas preocupações precisam ser investigadas antes que a eleição presidencial de 2016 seja certificada”, disse Jill em um comunicado. “Nós merecemos eleições em que possamos confiar.”

 

O prazo final para pedir a recontagem acabava nesta sexta-feira em Wisconsin, na segunda-feira (28), na Pensilvânia e na próxima quarta-feira (30) em Michigan.

A decisão de Jill, que antes estava hesitante em se envolver na recontagem, também evita que membros do Partido Democrata ou funcionários da campanha de Hillary à Casa Branca tenham de desafiar abertamente a eleição.

Membros do alto escalão do partido estavam relutantes em sugerir que houve irregularidades e questionar os resultados nestes três Estados em razão de Hillary e sua equipe terem criticado duramente Trump durante a campanha por ele alegar que a votação teria sido “fraudado” contra ele.

Tudo o que sabemos sobre:

Jill Stein

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: