Cenário: Hillary não errou ao acusar Trump de preconceito

O republicano disse que a ofensa a seus eleitores foi o maior erro da temporada política

Redação Internacional

13 de setembro de 2016 | 05h00

Greg Sargent / WASHINGTON POST

Na manhã de ontem, em entrevista à Fox, Donald Trump reagiu às palavras de Hillary, para quem metade dos eleitores dele é composta por “deploráveis” chauvinistas preconceituosos. O republicano disse que a ofensa a seus eleitores foi “o maior erro da temporada política”. Mas uma pesquisa Washington Post/ABC News divulgada no fim de semana coloca em dúvida a ideia do comentário de Hillary como erro político.

Se o objetivo dela era trazer a público o debate envolvendo o chauvinismo preconceituoso de Trump, a pesquisa revela que ampla maioria dos americanos concorda com ela e o considera parcial contra as mulheres e as minorias, incluindo os grupos de eleitores entre os quais o candidato republicano precisa conquistar mais votos se quiser vencer em novembro.

A pesquisa, que indica Hillary à frente de Trump por cinco pontos entre os prováveis eleitores de todos os EUA, revelou também que 60% dos americanos concordam que “Trump é parcial contra mulheres e minorias”.
Outras pesquisas revelaram descobertas semelhantes. Uma recente pesquisa de opinião da Quinnipiac mostrou que a ampla maioria dos eleitores americanos e principalmente dos brancos com ensino superior acredita que “Trump se expressa apelando para o preconceito”.

Hillary podia ter escolhido melhor as palavras. E é perfeitamente possível que as próximas pesquisas mostrem certa insatisfação do público diante desse comentário, justamente a parte que ela tentou amenizar. Mas a afirmação subjacente de Hillary – Trump está fazendo campanha com base em apelos preconceituosos e, neste processo, está trazendo para o centro do debate a mentalidade extremista minoritária – é simplesmente inegável. E obrigar todos a debater publicamente esse problema não é necessariamente uma derrota política para ela. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Tudo o que sabemos sobre:

Hillary ClintonDonald Trump

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.