Cenário: Mulheres são mais da metade do eleitorado americano

Cada declaração sexista de Donald Trump reduz suas chances de chegar à Casa Branca

Redação Internacional

10 Outubro 2016 | 05h00

Cláudia Trevisan
CORRESPONDENTE / WASHINGTON

Cada declaração sexista de Donald Trump reduz suas chances de chegar à Casa Branca. As mulheres representam mais da metade do eleitorado americano e dão demonstrações crescentes de que rejeitarão o candidato republicano por uma margem nunca vista em disputas presidenciais recentes dos EUA.

A democrata Hillary Clinton assumiu a liderança nas pesquisas após seu primeiro debate com Trump, no dia 26, quando o republicano teve uma performance sofrível. E sua ascensão nas intenções de voto se deveu principalmente às mulheres e às minorias. Na média calculada pelo RealClearPolitics, Hillary tem agora 47,5% das intenções de voto, 4,6 pontos a mais que o adversário. Antes do debate, a diferença era de 1 ponto.

Student Breckan Erdman carries around a sign on the campus of Washington University in St, Louis, Missouri where the second presidential debate will be held between Republican nominee Donald Trump and his Democrat counterpart Hillary Clinton. / AFP PHOTO / PAUL J. RICHARDS

Eleitora em Saint Louis protesta contra Trump. Foto: PAUL J. RICHARDS/AFP

Com a revelação da conversa em que Trump se gaba de poder fazer o que quiser com as mulheres, sua preferência entre o eleitorado feminino deve cair ainda mais. Em pesquisa da Universidade Quinnipiac divulgada na semana passada, Hillary tinha 53% das intenções de voto das mulheres, 20 pontos a mais que o adversário, que lidera entre os homens com uma margem de 12 pontos: 49% a 37%.

Trump não pode argumentar que o tom do diálogo de 2005 é um fato isolado. No primeiro debate entre os republicanos que disputavam a candidatura do partido, no ano passado, a apresentadora Megyn Kelly questionou Trump por seus comentários degradantes sobre o sexo oposto. “Você chamou mulheres das quais não gosta de ‘porcas gordas’, ‘cachorras’ e ‘desleixadas’”.

No mês seguinte, o republicano usou a aparência física para questionar a capacidade de sua então adversária, Carly Fiorina, de vencer a disputa a republicana. “Olhe para aquela cara!”, disse Trump, à revista Rolling Stones. “Alguém votará naquilo? Você pode imaginar isso a face do próximo presidente?”E no debate do dia 26, Hillary o questionou pelo tratamento dado à ex-miss Universo Alicia Machado, que diz ter sido humilhada por Trump após obter o título e engordar.

O bilionário também não pode atribuir a natureza do diálogo a impulsos juvenis. Quando a conversa ocorreu, ele tinha 59 anos, era pai de quatro filhos e iniciara seu terceiro casamento poucos meses antes.