Chamando Trump de demagogo, Sanders pede voto a Hillary

Chamando Trump de demagogo, Sanders pede voto a Hillary

O caos emergiu antes da convenção do Partido Democrata dos EUA nesta segunda-feira, com manifestantes vaiando a presidente do partido em razão dos e-mails vazados que mostram membros do partido trabalharam para prejudicar Sanders em sua campanha nas primárias contra Hillary

Redação Internacional

25 de julho de 2016 | 15h19

FILADÉLFIA – Um dia depois de pedir a renúncia da presidente do Partido Democrata, o senador de Vermont Bernie Sanders instou, nesta segunda-feira, 25, a seus simpatizantes a votar em Hillary Clinton como presidente dos Estados Unidos para deter os objetivos do “demagogo” Donald Trump, adversário republicano.

“Temos de derrotar Trump. Temos de eleger a Hillary Clinton e Tim Kaine”, disse o senador, que disputou as primárias do partido com Hillary. “Trump é um exagerado e um demagogo.”

O caos emergiu antes da convenção do Partido Democrata dos EUA nesta segunda-feira, com manifestantes vaiando a presidente do partido em razão dos e-mails vazados que mostram membros do partido trabalharam para prejudicar Sanders em sua campanha nas primárias contra Hillary.

Horas antes do início da convenção de quatro dias para nomear Hillary à Casa Branca, a presidente do Comitê Nacional Democrata, Debbie Wasserman Schultz, lutou para ser ouvida em meio a vais quanto se dirigia à delegação democrata de seu Estado natal, Flórida.

Manifestantes seguravam sinais escritos “Bernie” e “E-mails” e gritavam “vergonha” enquanto ela falava. Outras pessoas no encontro aplaudiram Debbie, que está deixando o cargo pela controvérsia dos e-mails. Sanders exigiu sua renúncia no domingo. Ela prometeu trabalhar duro para uma vitória de Hillary sobre Trump na eleição de 8 de novembro.

A manifestação foi um prelúdio embaraçoso para a convenção na Filadélfia, na qual autoridades democratas esperavam que não houvesse qualquer drama, em contraste com a agitada campanha de Trump. O empresário de Nova York foi formalmente nomeado candidato em Cleveland na semana passada.

As trocas de e-mails vazados na sexta-feira pelo site WikiLeaks mostram que autoridades democratas exploraram maneiras de prejudicar a campanha presidencial de Sanders, incluindo ações como levantar questões sobre a fé do político, que é judeu. No domingo à noite, a campanha republicana pediu à rival que renuncie à disputa, assim como fez Debbie. /REUTERS, AFP, EFE e AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.