Cinco conclusões do último debate entre Hillary Clinton e Donald Trump

Cinco conclusões do último debate entre Hillary Clinton e Donald Trump

Enquanto o republicano cometeu um de seus piores erros, democrata registrou seu melhor desempenho

Redação Internacional

20 de outubro de 2016 | 09h34

LAS VEGAS, EUA – Os candidatos à presidência dos EUA, o republicano Donald Trump e a democrata Hillary Clinton, se enfrentaram pela terceira e última vez na noite de quarta-feira. Veja abaixo cinco conclusões do debate histórico, e possivelmente decisivo, segundo o site Politico.

Hillary Clinton e Donald Trump se enfrentam no terceiro e último debate presidencial (Foto: AFP PHOTO / Mark RALSTON)

Hillary Clinton e Donald Trump se enfrentam no terceiro e último debate presidencial (Foto: AFP PHOTO / Mark RALSTON)

Trump cometeu o pior erro de sua vida

O republicano tem dito constantemente que as eleições americanas estão sendo “fraudadas”. Questionado pelo moderador Chris Wallace se aceitaria os resultados das eleições, Trump disse: “Eu direi no momento. Vou mantê-lo em suspense”. Esse talvez tenha sido o principal momento do debate e, possivelmente, da campanha inteira. Para Hillary, “isso é horripilante”.

Hillary registrou a melhor performance de sua carreira

A ex-secretária de Estado estava confiante, relaxada e bem preparada para o debate. Ela começou destacando a relação do adversário com o presidente russo, Vladimir Putin, e descrevendo-o como um fantoche do Kremlin. A crítica despertou o magnata para o ataque e para a defesa. Mas o momento mais poderoso da noite – e possivelmente da campanha da democrata – foi quando Wallace questionou Trump sobre as acusações de abuso sexual. “Chris, ela fez essas pessoas aparecerem”, disse o empresário ao acusar Hillary de inventar as histórias sobre as acusações. “Foi tudo ficção. Eram mentiras e ficção.” Foi nesse ponto que a adversária mostrou que havia se preparado. “Donald acredita que menosprezar as mulheres o torna maior”, disse ela. “Ele recorre à dignidade delas, a sua autoestima, e eu não acho que exista alguma mulher que não saiba como é se sentir assim. Então agora sabemos o que Donald pensa, o que diz e como age com relação às mulheres. Esse é o Donald.” Mais tarde ele validou tudo o que foi dito por Hillary ao chamá-la de “mulher desagradável”.

Audiência do terceiro debate entre candidatos à presidência dos EUA

Chris Wallace deveria trabalhar como mediador

O âncora tomou controle do debate desde o início, calando os dois candidatos quando tentavam interromper um ao outro, e silenciando o público presente quando reagiam de forma muito audível. Mas o maior trunfo de Wallace foi o seu domínio das questões, o que permitia a ele manter o discurso focado em política e não em personalidade.

Hillary conseguiu escapar

Um dos momentos críticos do debate foi quando Wallace questionou a democrata sobre uma das coisas mais polêmicas que ela disse em um dos seus discursos privados. “Em um discurso que você fez para um banco brasileiro, pelo qual você recebeu US$ 225 mil, vimos no WikiLeaks que você disse o seguinte: ‘Meu sonho é um mercado comum com livre comércio e fronteiras abertas’”. A candidata se esquivou da pergunta e afirmou que ela estava se referindo apenas à expansão do desenvolvimento energético para além das fronteiras, e rapidamente passou a atacar o WikiLeaks e Trump por estarem conspirando secretamente com a inteligência russa.

Ilusão própria não é uma estratégia

Após o debate, Trump publicou em sua conta no Twitter que os resultados de duas pesquisas online – uma do Drudge Report e outra do Washington Times – mostravam que ele havia ganhado o debate de forma decisiva.

Tudo o que sabemos sobre:

debateDonald TrumpHillary Clinton