Com sangue humano, artista cria painel anti-Trump

Com sangue humano, artista cria painel anti-Trump

Trabalho recria a tela do artista Henry Mosler, do século 19, na qual Betsy Ross aparece costurando a primeira bandeira americana

Redação Internacional

16 de janeiro de 2017 | 16h38

A artista plástica americana Illma Gore, em parceria com o coletivo de artistas ativistas da Costa Oeste INDECLINE, fez um inusitado protesto anti-Donald Trump. Com sangue humano, eles pintaram o painel Rise up thy young blood. O trabalho recria a tela do artista Henry Mosler, do século 19, na qual Betsy Ross aparece costurando a primeira bandeira americana.

EAG04. Los Angeles (United States), 15/01/2017.- Artist Illma Gore poses in front of her anti-Trump artwork "Rise Up Thy Young Blood" painted with 6 liters of donated human blood during its unveiling Los Angeles, California USA, 15 January 2017. Activists, artists and musicians gave blood to help make the piece in collaboration with the INDECLINE artists collaborative. The painting is a reimagined version of 19th-century artist Henry Mosler's depiction of Betsy Ross sewing the first American flag, with Gore using immigrants instead of the original's all white women. (Estados Unidos) EFE/EPA/EUGENE GARCIA

Illma Gore e o painel contra Trump. Foto: Eugene Garcia/EFE

Com seis litros de sangue humano doados por artistas, ativistas ou apenas colaboradores, os dois fizeram a versão utilizando a imagem de imigrantes, em vez de mulheres brancas, como na original. O painel está exposto na Samuel Free Man Gallery, in Los Angeles, na Califórnia.

EUA_bandeira_HenryMosler_reproducao

A tela original de Henry Mosler

No ano passado, Ilma ficou conhecida por ter feito uma pintura de Donald Trump com um pênis pequeno. A ilustração ganhou o nome Make America Great Again, slogan da campanha presidencial do republicano. O coletivo ganhou destaque pelas esculturas do magnata nu, que foram espalhadas por várias cidades dos EUA.

Tudo o que sabemos sobre:

Illma GoreDonald TrumpINDECLINE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.