Donald Trump é processado no México por fraude fiscal

Donald Trump é processado no México por fraude fiscal

Magnata é acusado de não entregar ao fisco mexicano 'nenhum peso por ocasião de compra e venda' durante participação no desenvolvimento imobiliário frustrado conhecido como ‘Trump Ocean Resort Baja México’

Redação Internacional

31 de outubro de 2016 | 11h15

WASHINGTON – O candidato republicano à presidência dos EUA, Donald Trump, foi processado no México por fraude fiscal na participação do desenvolvimento imobiliário frustrado conhecido como “Trump Ocean Resort Baja México”, disse no domingo o demandante Jaime Martínez Veloz.

A motivação da denúncia é que “o senhor Trump não entregou ao fisco mexicano nenhum peso por ocasião da compra e venda e do dinheiro adquirido pelas vendas antecipadas” de torres de luxo, explicou Martínez Veloz, que ocupa o cargo de Comissário para o Diálogo com os Povos Indígenas do México, mas disse ter apresentado a denúncia a título pessoal. A ação foi apresentada ante as autoridades judiciais da cidade mexicana de Tijuana, localizada no Estado da Baixa Califórnia.

Candidato republicano à presidência dos EUA, Donald Trump (Foto: REUTERS/Jonathan Ernst)

Candidato republicano à presidência dos EUA, Donald Trump (Foto: REUTERS/Jonathan Ernst)

Em 2006, a companhia de desenvolvimento de imóveis de Los Angeles, Irongate Capital Partners, começou a pré-venda de um projeto de luxuosos condomínios e um hotel, que supostamente construiria junto com Trump nas Playas de Tijuana. O magnata imobiliário e sua filha Ivanka promoveram então o desenvolvimento como o novo Los Cabos.

De acordo com a denúncia, os apartamentos foram vendidos por US$ 350 mil a US$ 900 mil sem que tenha sido detalhada a soma total arrecadada. Contudo, sabe-se “que em apenas um dia vendeu a torre a quase 200 investidores”, indica o documento, que presume que nada foi reportado ao fisco mexicano.

Em 2009, os meios de comunicação informaram que a construção nunca foi iniciada e que a empresa estava quebrada.

Recentemente, Martínez Veloz decidiu investigar o caso e descobriu que tanto a Irongate Capital Partners quanto as filiais de Trump deixaram de tramitar visto de construção ante as autoridades mexicanas, segundo documentos públicos incluídos na ação. Quando o projeto quebrou, o magnata se desvinculou argumentando que havia alugado seu nome, o que não impediu que alguns dos investidores o processassem. / AFP

Tudo o que sabemos sobre:

Donald Trumpimóveisfraude fiscalprocesso

Tendências: