Em comício, Trump ostenta condecoração dada por veterano de guerra

Candidato republicano ostentou a medalha Coração Púrpura em meio a polêmica por críticas a pais de herói de guerra

Redação Internacional

03 Agosto 2016 | 05h00

WASHINGTON – Em um comício em Ashburn, no Estado de Virgínia, o candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, exibiu nesta terça-feira a condecoração militar dada por um veterano de guerra como demonstração de apoio condicional.

Trump ostentou o Coração Púrpura, medalha que é entregue aos feridos e mortos em combate pelos EUA, em plena onda de críticas a ele pelo atrito com os pais de um militar americano muçulmano morto no Iraque em 2004.

“Sempre quis ter um Coração Púrpura. Foi muito mais fácil que o normal”, brincou o magnata, que nunca serviu nas Forças Armadas e evitou ir à Guerra do Vietnã em cinco ocasiões, quatro por prorrogação de estudos e a última por um problema ósseo no pé.

Segundo Trump, o tenente-coronel aposentado Lewis Durfman deu-lhe  a medalha porque “tem muita confiança” no magnata.

O multimilionário convidou o veterano ao palco para uma tirar uma foto com ele, enquanto o político ostentava o Coração Púrpura, que, depois, colocou no bolso do terno para continuar o discurso.

O candidato republicano foi muito criticado por questionar publicamente Khizr e Ghazala Khan, imigrantes paquistaneses, muçulmanos e pais de um capitão americano morto no Iraque em 2004.

Os dois discursaram na Convenção Nacional Democrata, na Filadélfia, na semana passada com críticas ao discurso xenofóbico de Trump. Na ocasião, o pai, Khizr, disse que o magnata nunca se sacrificou pelos EUA.

Em vez de mostrar respeito pela perda do filho do casal muçulmano e evitar o confronto, Trump disse em entrevista que ele também tinha realizado grandes sacrifícios para erguer suas empresas, além de questionar o silêncio da mãe do militar, Ghazala, em declaração que foi recebida pelos críticos como de viés pejorativo cultural e religioso.

Em sua campanha nas primárias republicanas, Trump realizou atos em solidariedade a veteranos de guerra e de arrecadação, o que contribuiu para as críticas vindas da cúpula do Partido Republicano, rivais democratas e até associações de veteranos e famílias de militares insatisfeitos pela falta de respeito aos pais do capitão morto. / EFE