Escoceses já têm uma ideia de como será o governo de Donald Trump

Escoceses já têm uma ideia de como será o governo de Donald Trump

Presidente eleito construiu um campo de golfe no nordeste da Escócia, bloqueando a visão dos moradores locais que se recusam a vender suas casas

Redação Internacional

09 Dezembro 2016 | 11h25

Katrin Bennhold
The New York Times

BALMEDIE, ESCÓCIA – O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, já construiu um muro, mas não foi na fronteira com o México, e sim na divisa de seu campo de golfe exclusivo no nordeste da Escócia, bloqueando a visão do mar de moradores locais que se recusaram a vender suas casas, e enviou a conta para eles.

David e Moira Milne já foram ameaçados com uma ação judicial pelos advogados de Trump, que afirmam que um canto de sua garagem pertence a ele, quando chegaram em casa um dia e encontraram trabalhadores construindo uma cerca em volta de seu jardim. As duas fileiras de árvores já crescidas colocadas no local bloquearam a vista, suas redes de água e eletricidade foram cortadas temporariamente, e a conta de cerca de US$ 3,5 mil chegou pelo correio.

Presidente eleito dos EUA, Donald Trump (Foto: Carlo Allegri / Reuters)

Presidente eleito dos EUA, Donald Trump (Foto: Carlo Allegri / Reuters)

“Pode esperar, o México também não vai pagar”, avisa David Milne, consultor de saúde e segurança, referindo-se à campanha de Trump que prometeu construir um “muro lindo e impenetrável” na fronteira e forçar os mexicanos a pagar por ele.

Michael Forbes, trabalhador de uma pedreira cuja casa fica do lado oposto à propriedade de Trump, colocou uma bandeira com a frase “Hillary para presidente” depois que Trump o acusou publicamente de viver “como um porco” e o chamou de “vergonhoso” por não querer vender sua casa “repugnante” e “parecida com um barraco”.

Enquanto muitos americanos tentam descobrir que tipo de presidente acabaram de eleger, os habitantes de Balmedie, uma pequena vila na periferia da cidade de Aberdeen, dizem que têm um plano. Nos 10 anos desde que Trump fez sua primeira visita e prometeu construir “o maior campo de golfe do mundo” em uma área de proteção ambiental com dunas de areia de quatro mil anos, eles o viram atacar qualquer pessoa se estivesse em seu caminho. Os moradores afirmam que o republicano ganhou apoio da população para seu campo de golfe após fazer muitas promessas, que foram todas quebradas.

Árvores e cerca construídas por Donald Trump em seu campo de golfe bloqueiam visão de moradores da região (Foto: Jeremy Sutton-Hibbert/The New York Times)

Árvores e cerca construídas por Donald Trump em seu campo de golfe bloqueiam visão de moradores da região (Foto: Jeremy Sutton-Hibbert/The New York Times)

O investimento prometido de US$ 1,25 bilhão encolheu para o que seus oponentes dizem ser no máximo US$ 50 milhões; os 6 mil empregos viraram 95; os dois campos de golfe tornaram-se apenas um. Um hotel de luxo de 8 andares e 450 quartos nunca foi construído. O Trump International Golf Links, que abriu em 2012, perdeu US$ 1,36 milhão em 2015, segundo contas públicas.

“Se os EUA querem saber o que têm pela frente, deveriam estudar o que aconteceu aqui. É previsível. Eu o vi fazer nos EUA, em uma escala maior, exatamente o que fez aqui. Ele encantou as pessoas e os políticos até que conseguiu o que queria e aí voltou atrás em quase tudo o que havia prometido”, afirmou Martin Ford, representante do governo local.

Alex Salmond, ex-primeiro ministro da Escócia cujo governo concedeu a Trump a permissão para seu empreendimento em 2008, passando por cima de autoridades locais, agora reconhece o fato. “Balmedie ganhou dez centavos por dólar.”

Sarah Malone, que chamou a atenção de Trump depois de ganhar um concurso de beleza local e agora é vice-presidente do Trump Internacional, discorda de alguns números discutidos publicamente sobre o projeto, e diz que ele investiu cerca de US$ 125 milhões e o campo de golfe hoje emprega 150 pessoas.

Propriedade de Michael Forbes fica do lado oposto ao campo e golfe de Trump (Foto: Jeremy Sutton-Hibbert/The New York Times)

Propriedade de Michael Forbes fica do lado oposto ao campo e golfe de Trump (Foto: Jeremy Sutton-Hibbert/The New York Times)

Passado. Depois de sair de seu jato privado e distribuir cópias de seu livro “Trump: Como Ficar Rico”, ele teria dito a moradores o quanto se sentia escocês. “Sinto-me muito bem aqui”, afirmou antes de passar menos de dois minutos com os primos na casa de sua mãe, segundo o The Guardian. Cerca de três horas depois seu jato havia partido.

A visita claramente não impressionou Ford, que na época era presidente do comitê de planejamento do Conselho de Aberdeenshire, ele recusou a permissão para que Trump construísse seu campo de golfe em área ambiental.

Posteriormente foi Salmond que defendeu o magnata, concedendo a permissão para continuar com seus planos em razão do “interesse econômico nacional”. “Seis mil empregos em toda a Escócia, 1,4 mil vagas locais e permanentes no nordeste do país. Isso ultrapassa as preocupações ambientais”, disse Salmond na época.

Oito anos depois, ele afirma que Trump o enganou. “Se soubesse o que sei agora e pudesse voltar atrás, eu reescreveria aquelas páginas. A maioria dos empreendimentos equilibram questões econômicas e ambientais. O problema é que Donald Trump não fez o que havia prometido.”

The New York Times News Service/Syndicate – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times.

Mais conteúdo sobre:

Donald TrumpEstados UnidosEscócia