Futuro líder dependerá de novo Legislativo

Futuro líder dependerá de novo Legislativo

A nova disposição legislativa em Washington encontrará pela frente uma agenda já atrasada de medidas determinantes para o novo presidente

Redação Internacional

09 de novembro de 2016 | 05h00

WASHINGTON – O futuro governo americano dependerá fundamentalmente da nova composição do Congresso, também em jogo na noite de ontem. A nova disposição legislativa em Washington encontrará pela frente uma agenda já atrasada de medidas determinantes para o novo presidente.

A mais importante delas será a escolha do novo juiz para a Suprema Corte que ocupará a vaga de Antonin Scalia, que morreu em fevereiro. Já em março, o presidente Barack Obama anunciou Merrick Garland para substituí-lo. Mas a conclusão do processo foi barrada pela recusa do Senado – que tem maioria republicana – em sabatiná-lo e apreciar a escolha em ano eleitoral. A escolha do nono juiz determinará a linha ideológica – mais progressista ou mais conservadora – da maioria da Corte e a conclusão de importantes julgamentos nos EUA.

De acordo com uma apuração da agência Bloomberg, na lista de afazeres dos congressistas está a missão de lidar com o limite da dívida do país que expira em março. Se não tomarem nenhuma medida a tempo, o Tesouro americano poderá enfrentar um default sem precedentes até meados do próximo ano.

O Congresso, segundo a Bloomberg, terá de forjar um novo acordo orçamentário ou permitir cortes acentuados em programas que deverão entrar em vigor automaticamente no ano fiscal de 2018.

A capacidade de um presidente americano para governar está diretamente ligada às maiorias e equilíbrios do Congresso, atualmente marcado por uma profunda divisão bipartidária.

Em entrevista à Bloomberg, o ex-líder republicano no Senado Trent Lott opinou que há uma esperança de que ao menos as relações nessa Casa melhorem a partir de janeiro, com a aposentadoria do atual líder democrata Harry Reid.
Segundo Lott, Chuck Schumer, de Nova York, deverá ser o sucessor de Reid, o que provavelmente ajudará nas relações entre os dois partidos uma vez que ele se dá melhor com o atual líder republicano, Mitch McConnel. “É óbvio que a relação entre Reid e McConnell contribuiu para o bloqueio no Senado em vários momentos”, disse. / W.POST e EFE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.