Hillary Clinton carrega forte time de conselheiros durante campanha

Hillary Clinton carrega forte time de conselheiros durante campanha

Democrata vê escolha de parceiros como peça chave durante disputa

Redação Internacional

08 de novembro de 2016 | 10h18

Após décadas de experiência política, com êxitos, fracassos e polêmicas que a atingiram como a poucas pessoas nos Estados Unidos, a candidata democrata, Hillary Clinton, sabe que escolher os conselheiros indicados é uma das chaves em sua corrida em direção à Casa Branca.

Os fiéis. Huma Abedin, de 40 anos, é a vice-presidente de sua equipe de campanha e uma das pessoas que estão mais próximas dela. Hillary a considera sua segunda filha. Foi estagiária na Casa Branca em 1996 e desde então sua carreira está ligada à da candidata. Foi uma de suas maiores colaboradoras durante a atuação de Hillary como secretária de Estado, entre 2009 e 2013.

Cheryl Mills, de 51 anos, é advogada e foi jurista da Casa Branca. Defendeu o casamento Clinton em sua batalha legal na década de 1990 e depois se converteu em chefe de gabinete da ex-primeira-dama quando ela esteve à frente da diplomacia americana.

Cheryl Mills foi chefe de gabinete quando Hillary foi primeira-dama dos Estados Unidos (Foto: Brendan Smialowski/ AFP)

Cheryl Mills foi chefe de gabinete quando Hillary foi primeira-dama dos Estados Unidos (Foto: Brendan Smialowski/ AFP)

John Podesta, de 67 anos, é o presidente de sua equipe de campanha. Foi secretário-geral da Casa Branca durante o mandato de Bill Clinton (1998-2001) e depois se converteu em conselheiro do presidente Barack Obama em 2014. Sua conta de Gmail foi hackeada e seus e-mails, divulgados pelo WikiLeaks, trouxeram à tona uma estratégia política implacável.

Neera Tanden, de 46 anos, é presidente do centro de reflexão de esquerda Center for American Progress. Transmite seus conselhos em um tom sereno e é integrante da equipe que prepara a eventual transição política.

Minyon Moore, de 58 anos, é uma “velha amiga” de Hillary, conselheira experiente e diretora do centro de conselhos políticos Dewey Square Group. É íntima da candidata desde que ela perdeu as primárias de 2008.

A nova guarda. Jake Sullivan, de 39 anos, é conselheiro e cabeça pensante da equipe de Hillary desde sua passagem pelo Departamento de Estado. Especializado em temas relacionados com política internacional e defesa, participou das negociações secretas para relançar o diálogo com o Irã em 2012 – na época trabalhava para o vice-presidente Joe Biden -. Os especialistas o situam como um possível candidato ao estratégico posto de conselheiro de Segurança Nacional.

Robby Mook, de 36 anos, é o diretor de campanha. Em 2008 a acompanhou nas primárias e neste ano se encarrega da gigantesca maquinaria eleitoral.

Jennifer Palmieri, de 49 anos, é sua diretora de comunicação. Também trabalhou na Casa Branca sob os mandatos de Bill Clinton e Obama, de quem foi a diretora de comunicação de seu gabinete até se unir à equipe da candidata, em 2015.

Hillary Clinton sabe que escolha de conselheiros é fundamental em campanha (Foto: Doug Mills/The New York Times)

Hillary Clinton sabe que escolha de conselheiros é fundamental em campanha (Foto: Doug Mills/The New York Times)

Brian Fallon é o principal porta-voz de sua candidatura. Também foi do senador Chuck Shumer, futuro líder dos democratas no Senado, e do secretário de Justiça, Eric Holder.

A equipe de transição. Desde agosto, esta equipe prepara a eventual mudança de comando com Obama, que ocorrerá entre as eleições de 8 de novembro e a posse no dia 20 de janeiro de 2017. Ken Salazar, de 61 anos, ex-senador e ex-secretário do Interior do atual presidente, está à frente do grupo.

É composto por quatro co-presidentes: o ex-conselheiro de Segurança Nacional Tom Donilon, a ex-governadora de Michigan Jennifer Granholm, Neera Tanden e Maggie Williams, diretora da campanha de Hillary em 2008.

As estratégias são supervisionadas por dois conselheiros, Ed Meier e Ann O’Leary, que Hillary conhece desde seus anos como primeira-dama e senadora. / AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.