Hillary tem 4 pontos de vantagem sobre Trump, indica pesquisa

Hillary tem 4 pontos de vantagem sobre Trump, indica pesquisa

Segundo o centro de pesquisas Pew, a democrata tem 41% de respaldo e Trump, 37%

Redação Internacional

18 Agosto 2016 | 21h45

WASHINGTON –  A candidata democrata à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton, tem uma vantagem a nível nacional de apenas 4 pontos porcentuais sobre seu rival republicano, Donald Trump, segundo uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira pelo centro de pesquisas Pew.

A pesquisa, que incluiu outros dois candidatos independentes na disputa, o candidato libertário Gary Johnson e candidata do Partido Verde, Jill Stein, concluiu que 41% dos consultados votariam em Hillary, enquanto 37% apoiaria Trump.

Além disso, 10% dos pesquisados daria seu respaldo a Johnson, enquanto 4% respaldaria Jill Stein.

A pesquisa, que também mediu a temperatura sobre a visão de futuro dos cidadãos, revelou que 49% das mulheres apoia Hillary e 30%, Trump.

A maioria dos homens (45%) apoia o magnata e 33% respaldam a ex-secretária de Estado.

Entres os pesquisados que têm títulos de pós-graduação, 59% respaldam Hillary  e 21% , o multimilionário; e entre os que têm alguns estudos ou nenhum na universidade as preferências estão divididas (41% para Trump e 36% para Hillary).

No entanto, só 27% dos entrevistados acreditam que Trump seria um “presidente bom ou muito bom”, enquanto 55% consideram que seria “ruim ou terrível” (43% especificamente se referiu à última acepção) e só 15% disseram que o magnata seria um líder “mediano”.

Em relação a Hillary, 31% acredita que seria uma presidente “boa ou muito boa”, enquanto 22% acha que seria normal e 45% entende que seria “ruim” (12%) ou “terrível” (33%).

A pesquisa também analisou as visões opostas entre os eleitores de Trump e Hillary.

Os partidários de Trump acham que a imigração (66%) e o terrorismo (65%) são problemas “muito grandes”, enquanto os eleitores de Hillary consideram que a lacuna entre os ricos e os pobres (70%) e o meio ambiente (43%) são as principais questões no país.

A pesquisa foi realizada entre os dias 9 e 16 de agosto entre 2.010 eleitores registrados para as eleições presidenciais de 8 de novembro nos 50 Estados do país e tem uma margem de erro de 2,5 pontos porcentuais para mais ou para menos. / EFE