Jovens estariam mais inclinados a votar em partidos alternativos do que em Hillary ou Trump

Jovens estariam mais inclinados a votar em partidos alternativos do que em Hillary ou Trump

Barack Obama pediu que população se mobilize a favor da democrata e disse que votar em candidatos que não têm possibilidade de vencer ou mesmo não votar pode dar vitória ao republicano

Redação Internacional

29 de setembro de 2016 | 12h13

WASHINGTON – A apenas algumas semanas da eleição presidencial nos EUA, jovens eleitores estão fugindo dos tradicionais partidos Democrata e Republicano em uma escala incomum, segundo o jornal The New York Times.

Apesar de a população jovem estar indecisa sobre ir ou não às urnas, ela ainda é importante para os candidatos. Ainda que eles estejam mais predispostos a votar nos democratas do que qualquer outro grupo, essas pessoas não estão se voltando para o partido da maneira como fizeram em eleições passadas.

Mulher posa com a camiseta oficial diante de cartaz promovendo o debate entre Hillary e Trump

Mulher posa com a camiseta oficial diante de cartaz promovendo o debate entre Hillary e Trump

A campanha da candidata democrata à Casa Branca, Hillary Clinton, tem focado em eventos para tentar atrair essa geração composta por aproximadamente 75 milhões de americanos. Recentemente, a candidata viajou com Bernie Sanders a New Hampshire, onde participaram de um comício com estudantes.

Diversos fatores têm complicado a tarefa do comitê de Hillary de tentar atrair o público com idades entre 18 e 34 anos, caracterizados pelos seus hábitos com relação às redes sociais e por não dependerem das tradicionais campanhas veiculadas na televisão para decidir em quem votarão.

Eles não costumam ser motivados por qualquer problema ou ideia, o que torna difícil a abordagem; tendem a se declarar como não afiliados aos partidos; acreditam que o processo político e o sistema bipartidário do país não responde às suas preocupações; e normalmente têm pouco conhecimento com relação ao voto em um partido alternativo.

Um dos maiores problemas enfrentados atualmente pelo Partido Democrata com os mais jovens pode ser resumido no argumento dado por David Frasier, um aluno da Charleston Southern University. Nas primárias, ele votou em Sanders, mas provavelmente não votará no republicano Donald Trump ou em Hillary, pois são “peões e fantoches”.

Mais de um terço dos eleitores com idades entre 18 e 29 anos disseram na última pesquisa The New York Times/CBS News que votariam em Gary Johnson, do Partido Libertário, ou em Jill Stein, do Partido Verde.

Dentro desse público, Johnson conta com 26% de intenções de voto e Jill, com 10%. Em um cenário em que esses jovens só pudessem escolher entre Hillary e Trump, 10% afirmaram que não participariam das eleições.

Pedido. O presidente Barack Obama convocou os americanos a se mobilizarem a favor de Hillary Clinton, ressaltando que não ir às urnas no dia 8 de novembro pode dar a vitória a Trump, o qual “não tem as qualidades necessárias” para o cargo.

“Se não forem votar, será um voto para Trump”, disse Obama em entrevista ao Steve Harvey Morning Show, divulgada na quarta-feira.

“Se votarem no candidato de um partido que não tem qualquer possibilidade de vencer, será um voto para Trump”, acrescentou, referindo-se a Gary Johnson e Jill Stein.

Veja abaixo: Hillary e Trump batem boca no primeiro debate

Alguns partidários de Bernie Sanders – pré-candidato derrotado por Hillary, mas que conseguiu deflagrar uma grande mobilização nas prévias democratas – estão tentados a votar em Jill.

“Tudo o que fizemos em oito anos está em jogo nessa eleição”, afirmou Obama, em um tentativa de mobilizar aqueles que votaram nele duas vezes e que, nas pesquisas, mostram pouco entusiasmo pela ex-secretária de Estado, considerada pouco sincera.

“Não quero que fiquem em casa, pensando em que (essa eleição) é menos importante do que a de 2008 e de 2012”, acrescentou o líder americano. / NYT e EFE

Tudo o que sabemos sobre:

Barack ObamaDonald TrumpHillary Clinton

Tendências: