México felicita Trump e reitera que não pagará por muro

Governo mexicano falou de sua intenção de trabalhar com a nova administração americana após vitória republicana

Redação Internacional

09 de novembro de 2016 | 20h23

O governo mexicano felicitou nesta quarta-feira, 9, o presidente eleito Donald Trump, mas disse que a construção de um muro na fronteira entre os dois países está “fora de sua visão”. O magnata passou toda campanha dizendo que construiria um muro na fronteira com o país latino para conter a imigração e faria os mexicanos pagarem por ele.

“O governo do México foi claro e enfático de que pagar por um muro está fora de nossa visão, uma visão de como EUA e México juntos são mais competitivos, mais capazes de gerar oportunidades para nossa gente”, declarou a ministra das Relações Exteriores do México, Claudia Ruiz Massieu.

“Essa é a visão que vamos pôr sobre a mesa ao novo governo (dos EUA)” que começará em janeiro, apontou a chanceler.

Além disso, prometeu que o governo estará perto dos mexicanos residentes nos Estados Unidos “neste momento de incerteza”, a fim de que se sintam seguros e protegidos.

Perante uma possível chegada, dos Estados Unidos, de uma onda de mexicanos após o triunfo de Trump, a chanceler afirmou que “o México está preparado para qualquer situação que se possa apresentar”.

“Levamos anos recebendo mais mexicanos que retornam dos EUA do que os que estão saindo para lá. O padrão de migração mudou”, alegou.

Minutos antes, o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, parabenizou os Estados Unidos pelas eleições e reiterou a Trump sua disposição de “trabalhar junto” com o republicano.

“Parabenizo os EUA por seu processo eleitoral e reitero a @realDonaldTrump a disposição de trabalhar junto em favor da relação bilateral”, afirmou Peña Nieto no Twitter.

Em uma série de mensagens consecutivas, o presidente lembrou que “México e EUA são amigos, parceiros e aliados que devem seguir colaborando pela competitividade e o desenvolvimento da região”. “Confio que México e EUA seguirão estreitando seus laços de cooperação e respeito mútuo”, concluiu.

A chefe da diplomacia mexicana disse que a vitória do empresário certamente irá mudar a relação entre os dois países, mas lembrou que Trump já não é mais candidato, sugerindo que pode haver mudança de posição do republicando quando chegar ao Salão Oval, em 2017.

A chanceler afirmou que depois da polêmica visita de Trump ao México há algumas semanas, muito criticada pela opinião pública do país, o governo de Peña Nieto mantém contato com diferentes membros da campanha de Trump.

Ao lançar sua candidatura à presidência os EUA, o então pré-candidato republicano chamou os mexicanos de “estupradores” e “narcotraficantes”, ameaçou construir um muro na fronteira entre os dois países e exigir que o México pague por ele. Além disso, Trump anunciou a deportação de milhares de imigrantes ilegais procedentes do país e o bloqueio das remessas enviadas pelos parentes nos EUA. / EFE e REUTERS 

Tudo o que sabemos sobre:

MéxicoEUA

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.