Na Flórida, Al Gore pede voto para Hillary

Na Flórida, Al Gore pede voto para Hillary

Gore venceu o Prêmio Nobel da Paz de 2007 por sua atuação no combate ao aquecimento global, um tema que mobiliza os eleitores mais jovens, grupo que demonstra pouco entusiasmo pela candidatura de Hillary

Redação Internacional

11 de outubro de 2016 | 21h25

Cláudia Trevisan
Correspondente / Washington

Há 16 anos, Al Gore ganhou a eleição popular na disputa presidencial dos EUA, mas perdeu a Casa Branca para George W. Bush por uma diferença mínima no Colégio Eleitoral. Hoje, ele fez sua estreia na campanha de Hillary Clinton na Flórida, o Estado no qual sua candidatura naufragou por uma diferença de apenas 537 votos.

“Seu voto realmente conta”, afirmou o ex-vice-presidente democrata durante comício em Miami. “Vocês podem me considerar a principal prova disso.” No ano 2000, Gore teve 550 mil votos a mais que Bush, mas foi derrotado na disputa por uma diferença de apenas um voto no Colégio Eleitoral.

U.S. Democratic presidential nominee Hillary Clinton (R) and former Vice President Al Gore talk about climate change at a rally at Miami Dade College in Miami, Florida, U.S. October 11, 2016. REUTERS/Lucy Nicholson

Gore e Hillary em Miami. Foto: Lucy Nicholson/Reuters

Hoje, ele se dirigiu aos eleitores com menos de 25 anos e tentou mobilizá-los para ir às urnas no dia 8. “O seu voto tem consequência”, disse, enquanto a plateia gritava “você ganhou, você ganhou”.

Gore venceu o Prêmio Nobel da Paz de 2007 por sua atuação no combate ao aquecimento global, um tema que mobiliza os eleitores mais jovens, grupo que demonstra pouco entusiasmo pela candidatura de Hillary.

A entrada de Gore na campanha foi mais um exemplo da unidade que os democratas demonstram nesta eleição em torno de sua candidata, em contraste com a crescente divisão do Partido Republicano. A coesão também é distinta da que existia entre os democratas na eleição de 2000, quando Gore tentou se distanciar do presidente Bill Clinton, afetado pelo escândalo de seu relacionamento extraconjugal com Monica Lewinsky.

Na atual disputa, Hillary conta com o apoio do presidente Barack Obama, da primeira-dama Michelle Obama e de seu adversário nas primárias do partido, Bernie Sanders. Também tem a seu lado todos os ocupantes de cargos eletivos do partido. Seu desafio nas próximas quatro semanas será mobilizar os eleitores e convencê-los a votar.

Mas o evento foi ofuscado pela divulgação pelo Wikileaks de uma nova leva de e-mails da campanha de Hillary. Um deles revela que assessores da candidata receberam com antecedência o teor de uma pergunta que seria feita a Hillary em um evento com seu adversário nas primárias, o senador Bernie Sanders.

Enviada por Donna Brazile, comentarista política da CNN e dirigente do Partido Democrata, a mensagem dizia que Hillary receberia uma pergunta sobre pena de morte em evento realizado pela emissora. Em tese, as perguntas não deveriam ser reveladas aos candidatos com antecedência.

E-mails divulgados na véspera da convenção democrata, em julho, já haviam revelado atuação de dirigentes do partido em favor de Hillary, em detrimento de seu adversário nas primárias.

Tendências: