Obama cumpre com ritual e joga basquete no dia das eleições

Obama cumpre com ritual e joga basquete no dia das eleições

O esporte é o favorito do presidente, que costumava jogar com amigos até que um dia, em 2010, sofreu um golpe no rosto pelo qual teve de receber 12 pontos nos lábios

Redação Internacional

08 de novembro de 2016 | 15h40

WASHINGTON – O presidente dos EUA, Barack Obama, seguiu seu ritual na jornada eleitoral do país e nesta terça-feira, 8, dedicou um tempo para jogar basquete, como faz a cada quatro anos no dia das eleições presidenciais.

Obama, que votou há uma semana antecipadamente em Chicago, foi a um ginásio de Fort McNair, uma instalação militar naval em Washington, às margens do Rio Anacostia.

Obama chega ao ginásio de Fort McNair para a partida de basquete . Foto: Pablo Martinez Monsivais/AP

Obama chega ao ginásio de Fort McNair para a partida de basquete . Foto: Pablo Martinez Monsivais/AP

Ontem à noite, o líder americano participou do encerramento de campanha da candidata democrata, Hillary Clinton, na Filadélfia, no qual também participou a primeira-dama, Michelle Obama.

Durante as últimas semanas, Obama esteve especialmente ativo e participou de vários atos para solicitar o voto para Hillary e criticar frontalmente o candidato republicano, Donald Trump.

O basquete é o esporte favorito do atual presidente americano, que costumava jogar com amigos até que um dia, em 2010, sofreu um golpe no rosto pelo qual teve de receber 12 pontos nos lábios. Como consequência, o Serviço Secreto pediu a Obama que optasse por um esporte com menos contato.

Desde então, o presidente se concentrou no golfe e costuma dedicar seus momentos de descanso a jogar rodadas com amigos em campos próximos da capital americana ou em seus frequentes destinos de férias de Massachusetts no verão e Havaí, seu Estado-natal, no fim do ano.

No entanto, Obama manteve a tradição da partida de basquete durante a manhã como ritual a ser cumprido no dia das eleitorais presidenciais, a cada quatro anos. / EFE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.