Obama diz esperar que Trump enfrente Rússia quando necessário

Obama diz esperar que Trump enfrente Rússia quando necessário

O líder argumentou que seu governo manteve uma perspectiva 'construtiva' com Moscou e tentou encontrar 'pontos de encontro'

Redação Internacional

17 de novembro de 2016 | 16h48

BERLIM – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta quinta-feira, 17, esperar que o presidente eleito Donald Trump possa enfrentar a Rússia quando necessário, e adote uma aproximação construtiva para cooperar com Moscou quando os interesses estejam alinhados.

“Para que possamos solucionar muitos grandes problemas ao redor do mundo, está em nossos interesses trabalhar com a Rússia”, disse Obama durante entrevista coletiva com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel.

US President Barack Obama addresses a press conference with the German Chancellor after their meeting at the chancellery in Berlin on November 17, 2016. US President Barack Obama pays a farewell visit to German Chancellor Angela Merkel, seen by some as the new standard bearer of liberal democracy since the election of Donald Trump. / AFP PHOTO / TOBIAS SCHWARZ

Obama fala a jornalistas, em Berlim. Foto: Tobias Schwarz/AFP

“Minha esperança é que o presidente eleito adote uma aproximação similarmente construtiva, encontre áreas nas quais possamos cooperar com a Rússia, que nossos valores e interesses se alinhem, mas que o presidente eleito também esteja disposto a enfrentar a Rússia quando ela se desviar de nossos valores e normas internacionais”, afirmou Obama.

O atual presidente dos Estados Unidos também declarou que denunciou perante Putin com uma “mensagem clara” os ataques cibernéticos ao Partido Democrata, o que considerou uma intromissão nas eleições de seu país, e defendeu uma regulação internacional para evitar que a internet se transforme em um “campo de batalha”.

O líder argumentou que seu governo manteve uma perspectiva “construtiva” com Moscou e tentou encontrar “pontos de encontro”. No entanto, ressaltou OBama, Washington também tem “diferenças significativas” em assuntos como “democracia, liberdade de expressão, estado de direito”, assim como o respeito a outros países em termos de soberania nacional e integridade territorial.

Ele acrescentou que é importante que sanções impostas contra a Rússia por ações no leste de Ucrânia continuem em vigor até que Moscou cumpra o acordo de paz de Minsk.

Obama, perguntado se pensa que Merkel deveria se candidatar ao quarto mandato como chanceler, disse considerá-la uma excelente líder e votaria em Merkel caso fosse um cidadão alemão. / REUTERS e EFE 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.