Obama participa de comício ao lado de Hillary e busca dar impulso à campanha

Dupla viaja a Charlotte, na Carolina do Norte, para participar de uma série de eventos destinados a mobilizar os eleitores, principalmente os integrantes de grupos minoritários

Redação Internacional

05 de julho de 2016 | 12h15

CHARLOTTE, ESTADOS UNIDOS – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, participará nesta terça-feira, 5, de seu primeiro ato de campanha junto à democrata Hillary Clinton, buscando relançá-la em sua disputa com o republicano Donald Trump para as eleições de novembro.

A dupla viaja a Charlotte, na Carolina do Norte, para participar do primeiro de uma série de eventos destinados a mobilizar os eleitores, em particular aqueles de grupos minoritários, que continuam apoiando o presidente, em estados cruciais para definir as eleições.

Hillary – que viajará junto a Obama no avião presidencial Air Force One – busca relançar sua campanha depois de uma série de relativas derrotas e revelações relacionadas ao uso de sua conta particular de e-mail quando era secretária de Estado.

A ex-primeira-dama depôs por mais de três horas no sábado ao FBI, que está realizando uma investigação sobre o caso.

A três semanas da convenção democrata da Filadélfia, na qual Hillary será proclamada candidata à Casa Branca, os republicanos aproveitaram o caso para insistir sobre a escassa confiabilidade e seriedade da ex-chefe da diplomacia americana.

O discurso ganhou ainda mais destaque após descobrir-se que o ex-presidente Bill Clinton se reuniu recentemente em uma pista de aeroporto com a procuradora-geral Loretta Lynch, cujo Departamento supervisiona a investigação vinculada aos e-mails de Hillary. Em uma entrevista divulgada no domingo no programa “Meet The Press”, da rede NBC, Hillary reconheceu que foi imprudente que seu marido se encontrasse com a procuradora-geral.

Elite. Trump se valeu do encontro para insistir sobre o pertencimento dos Clinton a uma elite entrincheirada em Washington e acostumada a administrar um sistema “fraudado e corrupto”, escreveu na segunda-feira em sua conta no Twitter.

“A desonesta Clinton é culpada ao máximo, mas o conjunto do sistema está fraudado e corrupto”, afirmou o magnata.

“Onde estão os 33 mil e-mails que faltam?”, acrescentou, referindo-se aos e-mails que Hillary disse ter apagado porque estavam relacionados a sua vida privada, e não ao seu trabalho como secretária de Estado.

Ao longo da campanha, Trump se esforçou para apresentar Hillary como uma privilegiada que, em razão de seus vínculos com a cúpula de poder em Washington, não tem aplicadas para si as regras em vigor para todos os outros americanos.

Terrorismo. Os sangrentos ataques suicidas de domingo atribuídos ao grupo Estado Islâmico em Bagdá, que provocaram a morte de mais de 200 pessoas, serviram para Trump voltar a atacar Hillary por sua fraqueza na luta contra o terrorismo.

“Hillary nunca será capaz de administrar a complexidade e o risco do EI”, afirmou o magnata republicano. “Com Hillary e Obama, os atentados terroristas só piorarão. Idiotas politicamente corretos, negam-se a mencionar as coisas por seu nome: Islã radical.”. E acrescentou: “Precisamos mudar”.

Ignorando as críticas de seu rival, Hillary buscará tirar proveito da presença do presidente no ato que será realizado nesta terça-feira, assim como do vice-presidente Joe Biden em outra atividade na sexta-feira na Pensilvânia, para reorientar sua campanha a temas econômicos, sociais e de política externa.

“Ansiosa para partir em campanha junto @POTUS”, escreveu no Twitter. POTUS é o acrônimo de “President of the United States”.

O apoio de Obama pode ser vital para Hillary. Embora todas as pesquisas a coloquem como favorita, sua vantagem sobre Trump vem diminuindo. A última pesquisa NBC News/Wall Street Journal revela inclusive que quando se trata de honestidade e confiabilidade, Trump a derrota por 41% a 25%. /AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.