ONG acusa Hillary de abuso como chanceler

ONG acusa Hillary de abuso como chanceler

Grupo afirma que ela recebeu pedido de passaporte diplomático para membros da Fundação Clinton; campanha diz ser vítima de perseguição

Redação Internacional

03 de setembro de 2016 | 05h00

WASHINGTON – A campanha da democrata Hillary Clinton reagiu duramente ontem à acusação da ONG Judicial Watch de que a candidata agiu de maneira inapropriada quando ocupou o cargo de secretária de Estado no governo Obama.

Citando e-mails da ex-secretária, a ONG afirmou que um executivo da Fundação Clinton, Doug Band, tentou requisitar um passaporte diplomático para si e para dois assessores do ex-presidente Bill Clinton, marido de Hillary.

Candidata democrata à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton

Candidata democrata à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton (Foto: AP Photo/Matt Rourke)

A requisição para os passaportes diplomáticos – que nunca foram emitidos, segundo diversos relatórios – tinha como propósito a missão humanitária de 2009 para a Coreia do Norte, que levou à soltura de duas jornalistas americanas, argumentou a campanha democrata.

“A Judicial Watch está agora atacando funcionários do Departamento de Estado e o 42.º presidente dos Estados Unidos por resgatar duas jornalistas da Coreia do Norte”, disse o porta-voz da campanha de Hillary, Josh Schwerin. “Esse é um golpe ainda mais baixo dessa organização que tem perseguido os Clintons desde os anos 90.”

A operação à qual se refere a campanha resgatou as duas jornalistas americanas Laura Ling e Euna Lee, capturadas por forças norte-coreanas perto da fronteira chinesa em 2009 enquanto filmavam um documentário sobre tráfico humano. Elas trabalhavam para o canal de TV do ex-vice-presidente de Clinton, Al Gore.

Em agosto daquele ano, Bill Clinton viajou para a Coreia do Norte, onde conversou com o então líder Kim Jong-Il por três horas. Após o encontro, Kim teria perdoado Ling e Lee, que retornaram aos EUA com o ex-presidente. Os dois países não têm relações diplomáticas e A viagem foi mantida em segredo, mas o governo Obama informou mais tarde que tinha conhecimento sobre ela.

O presidente da ONG, Tom Fitton, levantou dúvidas sobre a versão. “Se isso fosse verdade, seria uma indicação de que o Departamento de Estado estava terceirizando a política externa dos EUA para a Fundação Clinton”, disse ao Washington Post.

Não ficou claro como a ONG teve acesso a esses e-mails. A candidata tem sido questionada por utilizar um servidor de e-mails particular durante seu período como secretária de Estado. Ontem, o FBI divulgou um relatório que resume o depoimento de Hillary sobre o caso. O relatório, porém, não trouxe novas revelações. Com base nele, o FBI decidiu que não havia irregularidade. / NYT e WPOST

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.