Organização para a Libertação da Palestina critica promessa de Trump de reconhecer Jerusalém como capital de Israel

Organização para a Libertação da Palestina critica promessa de Trump de reconhecer Jerusalém como capital de Israel

Secretário-geral da OLP afirmou que declarações do empresário ‘mostram um desprezo pela lei internacional’ e ‘ignoram os pedidos feitos por milhões de cidadãos’ para que haja paz entre os povos dos dois territórios

Redação Internacional

26 de setembro de 2016 | 11h07

JERUSALÉM – O secretário-geral da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Saeb Erekat, criticou nesta segunda-feira, 26, a promessa feita no domingo pelo candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como “capital indivisível” de Israel, caso se torne presidente.

O magnata fez a promessa em uma reunião com o primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, em Nova York, segundo anunciou a organização de sua campanha.

Candidato republicano à presidência dos EUA, Donald Trump (Foto: Eric Thayer/The New York Times)

Candidato republicano à presidência dos EUA, Donald Trump (Foto: Eric Thayer/The New York Times)

Para Erekat, essas declarações “mostram um desprezo pela lei internacional, pela longa trajetória da política externa dos EUA sobre o status de Jerusalém, incluída a ocupação e ilegal anexação de Jerusalém Oriental ocupada, assim como por centenas de milhões de árabes, incluindo palestinos cristãos e muçulmanos”.

O dirigente ressaltou que os comentários do candidato presidencial republicano “ignoram os pedidos feitos por milhões de cidadãos dos EUA para uma paz entre Israel e Palestina com base na liberdade, justiça e igualdade”.

Erekat também se referiu a declarações prévias feitas por um assessor de Trump que afirmou que este apoiará a anexação de áreas da Cisjordânia a Israel, o que foi visto pelo líder como “um total abandono da solução de dois Estados, da lei internacional e das resoluções da ONU”.

Em geral, ele considerou que esse tipo de declaração “sublinha a urgência da chamada do presidente (palestino, Mahmoud) Abbas perante a Assembleia-Geral da ONU para que a comunidade internacional ponha fim à ocupação e salve a solução de dois Estados antes que seja tarde”.

Um comunicado divulgado pela campanha de Trump no domingo à noite indicou que o candidato republicano “reconheceu que Jerusalém foi a eterna capital do povo judeu durante mais de 3 mil anos”.

“Os EUA, sob a administração Trump, aceitarão finalmente o mandato do Congresso há muito tempo para reconhecer Jerusalém como a capital indivisível do Estado de Israel”, acrescentou a nota.

Washington não reconhece Jerusalém como a capital de Israel, assim como muitos países da comunidade internacional. A parte oriental da cidade, reivindicada pelos palestinos como sua capital, foi ocupada por Israel em 1967 e anexada nos anos 1980. Da mesma forma que muitos países, os EUA mantêm sua embaixada em Tel Aviv.

O Congresso se manifestou a favor de que a capital israelense seja Jerusalém, mas em junho de 2015 a Corte Suprema de Justiça respaldou a posição do governo do presidente americano Barack Obama. / EFE

Veja abaixo: Trump: “Putin é muito mais líder que Obama”

Tudo o que sabemos sobre:

Donald TrumpIsraelpalestinos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.