Pesquisa aponta que 80% dos americanos sentem vergonha por campanha eleitoral

Pesquisa aponta que 80% dos americanos sentem vergonha por campanha eleitoral

De acordo com sondagem do 'Boston Globe', 70% acreditam que as ações dos candidatos estão deteriorando a imagem dos Estados Unidos no mundo

Redação Internacional

22 Outubro 2016 | 05h00

WASHINGTON – Uma pesquisa divulgada nesta sexta-feira pelo jornal Boston Globe indicou que 80% dos americanos está envergonhado pela campanha realizada para as eleições presidenciais, e 70% acreditam que as ações dos candidatos estão deteriorando a imagem dos Estados Unidos no mundo.

A pesquisa, realizada em parceria pelo jornal e a Universidade Colby College, afirma, além isso, que 69% das pessoas que pretendem votar em novembro acreditam que a falta de espírito cívico na disputa entre o republicano Donald Trump e a democrata Hillary Clinton representa uma verdadeira crise.

Candidata democrata à presidência dos EUA, Hillary Clinton (Foto: REUTERS/Mike Blake)

Candidata democrata à presidência dos EUA, Hillary Clinton (Foto: REUTERS/Mike Blake)

Segundo o Boston Globe, 39% dos entrevistados culpa Trump pela negatividade da campanha, enquanto outros 16% atribuem o clima ruim à ex-secretária de Estado. Já 37% creem que os dois candidatos à presidência dos EUA dividem essa responsabilidade.

Do total, 81% acreditam ser possível discordar de outra pessoa de forma respeitosa e evitar os ataques pessoas que marcaram boa parte da disputa presidencial. Já outros 55% avaliaram que os insultos a um adversário não pode ser considerado “fair play””.

“Há um cansaço em relação ao comportamento desagradável que dominou as eleições”, disse ao Boston Globe o responsável pela pesquisa, Daniel Shea, diretor do Centro de Assuntos Públicos da Colby College.

Em comparação com as eleições presidenciais dos últimos anos, 64% dizem que a campanha atual é “mais negativa” que as anteriores.

A pesquisa foi realizada pela internet pela consultoria SurveyUSA, que entrevistou 1.000 adultos em todo o país entre os dias 11 e 14 de outubro. A margem de erro é de 3,4 pontos porcentuais. / EFE