Quem edita os artigos de Trump e Hillary na Wikipedia

Redação Internacional

31 de outubro de 2016 | 22h58

A Wikipedia é o quinto site mais visitado da internet mundial. Na eleição americana, milhões de pessoas usam seus artigos para pesquisar sobre os candidatos – desta vez Hillary Clinton e Donald Trump. As pessoas que tornam essas pesquisas possíveis, no entanto, seguem quase desconhecidas.
Os editores da Wikipedia, muitos deles colaboradores que não recebem nenhum tipo de pagamento, cuidam de cada palavra, link e imagem publicadas nas páginas biográficas e das campanhas de Trump e Clinton.


Em virtude do sucesso da Wikipedia – são mais de 4,1 bilhões de visitas às suas páginas em inglês no mês de outubro – na prática os editores acabam escrevendo verdadeiros guias para a eleição, com resumos que na maioria das vezes estão no topo das páginas de busca.
Desde que Trump e Hillary anunciaram as suas candidaturas, no ano passado, suas páginas biográficas já foram editadas mais de 12 mil vezes por 2 mil usuários, segundo dados da própria Wikipedia.
A página de Trump teve mais do triplo de edições que a de Hillary desde janeiro de 2015. Ela também é a que passou por mais revisões num período eleitoral que qualquer outro candidato republicano desde 2004.


Atualizar e cuidar desse conteúdo, bem como checar as fontes, pode ser recompensador para editores que colaboram com o projeto.
“Há um senso de responsabilidade compartilhada para manter esses recursos”, disse Samantha Lien, porta-voz da fundação Wikipedia. “A Wikipedia significa algo diferente para cada um.”
O trabalho no site pode ser, também, um hobby cansativo. Ryan Ng, um estudante de 17 anos de Nova York, contribuiu com milhares de edições para o site, sob o pseudônimo de Epicgenius, desde 2012, incluindo 100 delas em páginas de Trump e Hillary. Seu trabalho o consumiu tanto que ele quase foi expulso do colégio.
“É interessante contribuir com seu conhecimento, sem importar de onde ele vem”, disse.


Vandalismo. Qualquer um com acesso à internet pode editar o conteúdo da Wikipedia. Algumas páginas requerem uma senha e um usuário para serem editadas. Outras não. O vandalismo, segundo estimativa de um grupo de estudo da Universidade da Califórnia, no entanto, atinge apenas 7% das páginas. A maior parte das edições maldosas ocorre em horário comercial. Para editar as páginas dos presidenciáveis americanos, no entanto, é preciso uma senha.

Quando alguma nova informação sobre os candidatos vem a público, os editors discutem por dias como e quando publicá-la. Foi o caso dos comentários ofensivos de Trump sobre mulheres em um vídeo obtido pelo Washington Post e o vazamento de e-mails da campanha de Hillary pelo WikiLeaks.
“O mundo está usando a Wikipedia para se informar sobre Hillary e Trump então temos de ser o mais precisos e neutros possível”, disse Frank Margheti, um dos editores das páginas.