Relação dos EUA com América Latina ainda depende do Congresso

Para Moisés Marques, professor de Relações Internacionais da Fesp-SP, posição de Trump em assuntos do bloco podem mudar, mas é preciso ver até onde Legislativo o apoiará

Redação Internacional

10 de novembro de 2016 | 05h00

Fernanda Simas

Com a eleição de Donald Trump, as relações dos EUA com países da América Latina podem sofrer mudanças, mas muito dependerá do Congresso, explica o professor de Relações Internacionais da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (Fesp-SP) Moisés Marques.

No último dia de campanha, Donald Trump discursa em comício em Manchester, no Estado de New Hampshire (Foto: Scott Eisen/Getty Images/AFP) == FOR NEWSPAPERS, INTERNET, TELCOS & TELEVISION USE ONLY ==

No último dia de campanha, Donald Trump discursa em comício em Manchester, no Estado de New Hampshire (Foto: Scott Eisen/Getty Images/AFP)

Como pode ficar essa relação?
Podemos pensar que Trump terá uma relação diferente em dois pontos: um, na relação com países que representem algum problema de segurança, leia-se em questão de imigração. Aí basta lembrar uma frase do Bush, ‘bons muros fazem bons vizinhos’. Trump vai aprofundar essa ideia de muro: seja físico ou virtual, esse muro vai aumentar. O segundo ponto é econômico, porque ele provavelmente vai recrudescer a questão de tratados de livre-comércio e países como Chile, Peru, Colômbia e o próprio México vão sofrer. Trump deve ser um pouco mais protecionista, pelas condições da eleição.

A relação com Cuba mudará?
Na minha percepção, o que foi feito nos últimos meses por Obama tornou quase irrevogável, mas a decisão passa pelo Congresso. As duas leis de embargo são do Congresso, que é quem pode mudar o rumo disso. A minha ressalva é como será a relação de Trump com as Casas. Cuba é menos importante do ponto de vista ideológico para os EUA nesse momento e a única coisa que pode fazer com que Trump tente reverter o processo é o fato de na Flórida ele ter recebido o voto de cubanos, mas é preciso ver o que o Congresso está disposto a fazer.


Como fica a posição sobre a crise na Venezuela?
Acho que como a Venezuela ficou um pouco desimportante na política externa americana nos últimos tempos, ele deve ignorar. Caracas está no meio de um processo em que até o Vaticano tenta articular uma mediação e o país está muito fragmentado. Entrar nesse debate seria um erro do ponto de vista de estratégia neste momento. Trump deve esperar os próximos acontecimentos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: