Saiba o que mais está em jogo nos EUA nesta eleição

Saiba o que mais está em jogo nos EUA nesta eleição

O site especializado Politico fez uma lista do que mais está em jogo nos EUA além da vaga na Casa Branca nesta terça-feira

Redação Internacional

08 de novembro de 2016 | 05h00

O site especializado Politico fez uma lista do que mais está em jogo nos EUA além da vaga na Casa Branca nesta terça-feira:

Maconha
A maconha, provavelmente, será legalizada para uso medicinal na maioria dos Estados americanos. O número de Estados onde o uso recreativo será permitido poderá dobrar com as proposições a serem votadas em Nevada, Arizona, Califórnia, Maine e Massachusetts.

An electronic billboard displays a marijuana hashtag at Times Square in New York, U.S., November 7, 2016. REUTERS/Shannon Stapleton

Foto: Shannon Stapleton/Reuters

Bissexual
O Estado do Oregon poderá eleger a primeira governadora americana abertamente bissexual. Kate Brown já governa o Estado após ocupar o lugar de John Kitzhaber, que renunciou em meio a um escândalo de corrupção. Agora, enfrentará o teste das urnas.

Negros
O número de deputados republicanos negros na Câmara pode cair de dois para zero após essas eleições. Will Hurd, do Texas, e Mia Love, de Utah, enfrentam uma dura batalha pela reeleição em seus distritos eleitorais e pesquisas indicam a grande propabilidade de não obterem a vitória.

Latina
Dependerá do resultado das eleições nos Estados de Califórnia e Nevada, mas em 2017 o Senado americano poderá ter sua primeira integrante latina. Na Califórnia, a deputada democrata Loretta Sanchez briga pela vaga da senadora Barbara Boxer. Em Nevagada, a ex-procurador do Estado Catherine Cortez está em uma disputa acirrada com o republicano Joe Heck.

Pornô
Em 2012, a organização Aids Healthcare Foundation conseguiu ter aprovada a Medida B no Condado de Los Angeles, que exige dos atores de filmes pornográficos a usarem camisinha em todas as cenas. Agora, a organização espera que a regulamentação seja aprovada para todo o Estado.

Galinhas e Vacas
Uma proposição a ser votada no Estado de Massachusetts determina que os animais criados em fazendas e granjas tenham espaço o suficiente para se deitar, ficar de pé, alongar seus membros e se virar – essencialmente, bane as condições degradantes a que são mantidos esses animais.

Morte assistida
Os eleitores do Colorado decidirão pela aprovação ou não da medida Morte com Dignidade. A legislação autoriza tratamento para morte assisitida por meio de médicos a pacientes terminais que o reivindiquem. Estados como Washington, Oregon, Califórnia e Vermont têm leis parecidas.

IlhanOmar_NicholasFrenchPortraiture_Reproducao

Foto: Reprodução/Nicholas French Portraiture

Ex-refugiada
Após toda a retórica discriminatória de Donald Trump, os refugiados nos EUA poderão ter algo para comemorar. Vários deles estão na disputa eleitoral. Em Minnesota, Ilhan Omar, uma jovem líder de 33 anos, poderá ser eleita deputada estadual. Se conseguir, será a primeira somali-americana a ocupar uma vaga em uma legislatura estadual. Nascida na Somália, Ilhan passou quatro anos em um campo de refugiados antes de conseguir se mudar para os EUA.

‘Spaceman’
O Estado de Vermont, o mesmo de Bernie Sanders, tem um jogador de basquete como candidato a governador. Conhecido como Bill “Spaceman” Lee por gostar de falar de exploração espacial nas entrevistas que concedida, o candidato também é lembrado pelos americanos por ter concorrido a presidente em 1988 pelo Partido Rhinoceros. Seu slogan: “No guns, no butter. Both can kill”. De acordo com a Vermont Public Radio, Spaceman tem apenas 2% de apoio dos eleitores.

Sacolas plásticas
Os californianos decidirão em um referendo se concordam com a lei estadual, prevista para entrar em vigor este ano, que proibirá todas as sacolas plásticas de comércio. Se for adotada, o Estado da Califórnia será o único nos EUA onde somente serão permitidas sacolas de papel ou recicláveis.

Salário Mínimo
Enquanto o valor do salário mínimo nacional está congelado há sete anos, permanecendo em US$ 7,25 a hora, eleitores do Colorado (US$ 8,31), Arizona (US$ 8,05) e Maine (US$ 7,50) decidirão se o valor da remuneração será corrigido para US$ 12 até 2020. Se for aprovado, no total, serão 14 Estados nos EUA com planos para corrigir o salário mínimo a longo prazo.

Obras
O Estado da Califórnia, um dos principais a apresentar proposições a cada dois anos, nas eleições legislativas e nas presidenciais, poderá aumentar ainda mais esse exercício. Uma das medidas a ser votada no Estado nesta terça-feria prevê que todos os projetos de infraestrutura orçados em mais de US$ 2 bilhões deverão, automaticamente, passar primeiro pela aprovação do voto.

Checagem de antecedentes
Os defensores de um controle maior para a checagem de antecedentes de compradores de armas, sem conseguir avançar políticas que valham para todo o país, tentarão por meio de medidas estaduais. Os Estados de Maine e Nevada poderão se tornar o 9º e o 10º a fazer a checagem de antecedentes nos pontos de venda para todas as classes de armas de fogo.

Pena de Morte
O número de Estados que banem a pena de morte pode chegar a 21 do total de 50. Desde 1846, quando o Estado de Michigan tornou-se o primeiro governo de língua inglesa no Ocidente a banir a pena capital, o número de Estados que aplicam a moratória na prática tem crescido, ainda que lentamente. Califórnia e Nebraska votarão pelo banimento da punição, enquanto Oklahoma decidirá se deixará resguardado o direito de adotá-la no futuro.

Direito a caçar e pescar
A uma semana do início da temporada de caça, o Estado de Indiana votará sobre uma emenda à Constituição estadual que define o direito de caçar e pescar. Leis semelhantes serão votadas pelos eleitores de Montana e Kansas.

Idade para juízes
Dos 50 Estados americanos, 32 têm limites de idade para juízes e alguns deles começam a revê-los. Pensilvânia votará uma medida que aumenta de 70 para 75 anos e Oregon poderá estabelecer o limite de 75. Apoiadores da medidas argumentam que com o aumento da expectativa de vida, os juízes podem servir por mais tempo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.