Sanders afirma que levará sua ‘revolução política’ à Convenção Democrata

Sanders afirma que levará sua ‘revolução política’ à Convenção Democrata

Senador por Vermont prometeu usar últimos eventos de campanha para que sua agenda ideológica influencie na maior medida possível Hillary Clinton e o Partido Democrata

Redação Internacional

17 Junho 2016 | 11h48

WASHINGTON – O ainda pré-candidato democrata à presidência dos Estados Unidos Bernie Sanders afirmou na quinta-feira, 16, que a “revolução política deve continuar no futuro” e levará sua mensagem à convenção de seu partido, em um vídeo divulgado a seus seguidores na internet (veja abaixo).

O veterano senador por Vermont, que já não tem possibilidades matemática de conseguir a indicação do partido, lembrou todas e cada uma das questões que veio defendendo durante a campanha (também aquelas nas quais não concorda com sua rival e virtual indicada Hillary Clinton) e prometeu levá-las à Convenção Democrata da Filadélfia em julho.

Embora Sanders tenha se comprometido a “trabalhar” com Hillary durante as próximas semanas, assegurou que derrotar o virtual candidato republicano, Donald Trump, “não pode ser nosso único objetivo”, mas é preciso seguir com “os esforços de base para criar os EUA que todos sabemos que podemos chegar a ser”.

“Também espero trabalhar com a ex-secretária (de Estado) Hillary para transformar o Partido Democrata, de forma que ele se torne um partido das pessoas trabalhadoras e das pessoas jovens, e não só de doadores de campanha ricos”, disse ele no discurso transmitido de sua cidade-natal, Burlington.

Para isso, o senador prometeu “levar essa energia” à Convenção Nacional Democrata no dia 25 de julho. Sanders acredita que o entrosamento com Hillary pode assegurar que o Partido Democrata assuma a agenda “mais progressista de sua história”.

“Minha esperança é que, quando no futuro os historiadores olharem para trás, para a campanha de 2016, digam que foi então que tudo começou”, concluiu Sanders.

A grande dúvida era se, após a última jornada de primárias e depois que Hillary alcançasse matematicamente a indicação, o senador se retiraria e apoiaria publicamente sua rival ou permaneceria na corrida até a convenção.

Embora admita que não vai conseguir a candidatura democrata à presidência dos EUA, o objetivo de Sanders e sua campanha é aproveitar as próximas semanas e a plataforma da convenção para tentar que sua agenda ideológica influencie na maior medida possível Hillary e o conjunto do Partido Democrata. / EFE e REUTERS