Secretária de Justiça dos EUA rejeita acusações de Trump sobre fraude eleitoral

Secretária de Justiça dos EUA rejeita acusações de Trump sobre fraude eleitoral

Loretta Lynch disse não existir razões para crer que haveria um perigo real para o resultado da votação de 8 de novembro e garantiu que seu departamento está trabalho junto aos Estados para 'verificar que seus sistemas sejam seguros '

Redação Internacional

21 Outubro 2016 | 09h40

WASHINGTON – A secretária de Justiça dos Estados Unidos, Loretta Lynch, rejeitou na quinta-feira, 20, as insinuações de Donald Trump sobre a manipulação eleitoral a favor da democrata Hillary Clinton. Em declarações dadas em Roma, pouco antes dos últimos comentários de Trump sobre o assunto, Lynch disse não existir razões para crer que haveria um perigo real de cédulas falsas, eleitores impedidos de exercer seu direito de votar, ou contas falsificadas.

Em diferentes ocasiões, Trump afirmou que a classe dirigente dos Estados Unidos está tão desesperada para que Hillary ganhe as eleições que o resultado poderia ser distorcido a seu favor. Em suas últimas declarações, em Delaware, o candidato republicano à Casa Branca disse também na quinta que aceitaria “um resultado claro das eleições” do mês que vem, mas se reservou o direito a apelar legalmente do resultado, se achar que é “questionável”.

Em viagem à Itália, a secretária de Justiça dos EUA, Loretta Lynch, afirmou não haver qualquer prova de fraude na eleição americana (FOTO: AP Photo/Gregorio Borgia)

Em viagem à Itália, a secretária de Justiça dos EUA, Loretta Lynch, afirmou não haver qualquer prova de fraude na eleição americana (FOTO: AP Photo/Gregorio Borgia)

Sobre comentários parecidos feitos por Trump na quarta-feira antes do debate com Hillary, a secretária de Justiça afirmou que o Departamento de Justiça consideraria qualquer recurso que se apresentasse no órgão.
Ela acrescentou, porém, que neste momento, “não acha que seja útil especular sobre se investigaríamos ou não algo, enquanto não virmos qualquer ameaça real”.

Loretta ressaltou que o Departamento de Justiça estava trabalhando de forma próxima com os Estados do país para verificar que seus sistemas sejam seguros frente ao risco de “hackers, ataques (cibernéticos) e coisas assim”. “Acreditamos que seja muito difícil para qualquer pessoa de fora influir no resultado. Temos uma grande confiança no nosso sistema eleitoral”, afirmou.

A secretária de Justiça também disse que seu Departamento foi informado pelos especialistas em Inteligência sobre as supostas tentativas da Rússia de influenciar as eleições, por meio de seu envolvimento em vazamentos considerados prejudiciais para Hillary. / AFP