Sociedade americana ainda tem receio ‘injusto’ com relação às mulheres poderosas, diz Obama

Sociedade americana ainda tem receio ‘injusto’ com relação às mulheres poderosas, diz Obama

Para presidente dos EUA, esse temor é o que tem impedido o país de ter uma mulher no comando da Casa Branca

Redação Internacional

19 de setembro de 2016 | 14h32

NOVA YORK – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou no domingo que na sociedade americana ainda existe um receio “injusto” em relação às mulheres poderosas e que essa é a razão pela qual o país nunca teve em sua história uma mulher no comando da Casa Branca.

“Isso ainda nos preocupa em muitos sentidos, de maneira injusta”, refletiu Obama durante um jantar privado de arrecadação de fundos para os democratas em Nova York.

Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ao lado da candidata democrata à Casa Branca, Hillary Clinton

Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ao lado da candidata democrata à Casa Branca, Hillary Clinton (Foto: REUTERS/Brian Snyder)

O jantar aconteceu no apartamento que Danny Meyer, dono de diversos restaurantes, e sua mulher Audrey, atriz, possuem em Manhattan e contou com 65 convidados.

Apesar da realidade descrita por Obama, o presidente se mostrou confiante que o povo americano tomará “a decisão correta” em novembro e elegerá como nova presidente a candidata democrata, Hillary Clinton.

“Não deveria ser uma eleição apertada, mas o será”, advertiu Obama, para quem é preciso buscar a causa não em “erros” de Hillary, mas no fato de que os EUA se transformaram em uma sociedade “muito polarizada”.

Obama comentou que fala “sério” quando afirma que nunca houve na história dos EUA outro candidato à presidência mais preparada que Hillary, cujo julgamento qualificou de “infalível”. “E depois há o outro cara”, disse o presidente em referência ao candidato republicano, Donald Trump.

“Trump não está preparado para ser presidente e não tem interesse nem sequer em aprender o conhecimento rudimentar que se requer para tomar decisões muito difíceis no dia a dia”, sentenciou Obama.

O presidente chegou no domingo a Nova York para participar na terça-feira da sua última Assembleia-Geral da ONU e liderar junto a outros líderes uma cúpula sobre refugiados.

Durante sua estadia em Nova York, Obama terá também várias reuniões bilaterais, entre elas com o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, e os primeiros-ministros de Israel, Binyamin Netanyahu, e da China, Li Keqiang. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:

Barack ObamaHillary Clintonmulheres

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.