Trump critica Schwarzenegger, seu sucessor no programa ‘O Aprendiz’

Trump critica Schwarzenegger, seu sucessor no programa ‘O Aprendiz’

Redação Internacional

06 Janeiro 2017 | 16h49

WASHINGTON – O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, deixou de lado brevemente nesta sexta-feira seus comentários políticos em sua conta no Twitter para criticar o ator Arnold Schwarzenegger por sua baixa audiência como apresentador do programa O Aprendiz, posto no qual sucedeu ao magnata nova-iorquino.

“Saíram os dados de audiência e Arnold Schwarzenegger foi afligido (ou destruído), em comparação com a máquina de audiência DJT (as siglas de Donald J. Trump)”, afirmou Trump em sua hiperativa conta na rede social.

This Dec. 9, 2016 image released by NBC shows Arnold Schwarzenegger, the new boss of

 Arnold Schwarzenegger  é o novo apresentador do reality show “The New Celebrity Apprentice”.  (Foto: Paul Drinkwater/NBC/AP)

“E isso porque é uma estrela de cinema e foi a temporada 1 comparada com a 14. Agora o comparem com minha primeira temporada. Mas quem se importa, ele apoiou (o pré-candidato presidencial republicano) John Kasich e (a candidata democrata) Hillary Clinton”, acrescentou o multimilionário em uma série de mensagens.

Schwarzenegger sucedeu a Trump como apresentador do programa de televisão The New Celebrity Apprentice na segunda-feira passada.

A audiência do ator da série O Exterminador de Futuro esta semana foi de 4,9 milhões de telespectadores, frente aos 18,5 milhões do primeiro episódio com Trump em 2004.

O presidente eleito dos EUA se mantém, no entanto, como produtor executivo do reality show transmitido pela emissora “NBC” e no qual ele atuava como juiz implacável perante jovens empreendedores que aspiravam um contrato para trabalhar em uma de suas empresas.

Schwarzenegger, republicano e ex-governador da Califórnia, respondeu na mesma rede social a Trump que espera que o futuro presidente trabalhe por todos os americanos “de maneira tão agressiva como tinha trabalhado por sua audiência”.

Em outubro, o ator emitiu um comunicado no qual afirmou que, pela primeira vez desde que se tornou cidadão americano em 1983, não votaria no candidato republicano à Casa Branca. / EFE