Trump diz ter evitado ida de fábrica da Ford para o México

Trump diz ter evitado ida de fábrica da Ford para o México

Presidente eleito insiste que montadora atendeu a um pedido seu; mudança, porém, não estava nos planos da empresa

Redação Internacional

18 de novembro de 2016 | 20h11

Donald Trump comemorou na madrugada de hoje, pelo Twitter, o que seria seu primeiro grande feito para preservar empregos no país, uma de suas mais repetidas promessas de campanha. O presidente eleito afirmou ter convencido o presidente da Ford a manter nos Estados Unidos uma fábrica que, segundo ele, seria em breve transferida para o México.

“Trabalhei duro com Bill Ford para manter a fábrica Lincoln no Kentucky. Eu devia isso ao grande Estado de Kentucky pela confiança depositada em mim!”, escreveu no perfil que tem sido seu porta-voz.

FiLE - In this Nov. 11, 2014 file photo, Bill Ford Jr., Ford Motor Company Executive Chairman, speaks during news conference on the 2015 F-150 pickup truck at the Dearborn Truck Plant in Dearborn, Mich. President-elect Donald Trump claimed Thursday, Nov. 17, 2016, that he convinced the chairman of Ford Motor Co. not to move an assembly plant from Kentucky to Mexico. But Ford never intended to move the plant, just production of one of the vehicles it makes.(AP Photo/Paul Sancya)

Bill Ford, em imagem de arquivo. Foto: Paul Sancya/AP

Em pouco tempo, a suposta conquista de Trump esbarrou em evidências. A Ford nunca planejou remover a fábrica do território americano e levá-la para o México. O plano da montadora é levar linhas de montagem de apenas alguns modelos para o país vizinho.

Da fábrica de Kentucky, sairia a linha de produção do Lincoln MKC. A empresa afirma que nenhum posto de trabalho seria fechado, já que o espaço seria utilizado para ampliar, no mesmo local, a produção do Ford Escape.

Além disso, recentemente a empresa assinou um acordo com o sindicato local de trabalhadores da indústria automotiva comprometendo-se a investir US$ 700 milhões na unidade de Kentucky.

O plano de retirar a fabricação do MKC de Louisville foi revertido. Não houve uma explicação detalhada sobre quando essa decisão teria sido tomada, mas as vendas do Escape – em queda desde julho – podem ser parte da explicação. Uma porta-voz da Ford, Christin Baker, confirmou hoje que a decisão foi tomada “recentemente”, mas não precisou se foi antes ou depois da eleição de Trump para a Casa Branca.

O bilionário elegeu-se à presidência com uma plataforma que incluía promessas de pesadas sanções a empresas que transferissem empregos para o exterior. / COM AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: