Trump exige indenização de US$ 10 milhões de ex-funcionário por quebrar cláusula de confidencialidade

Empresário acusa seu ex-assessor de campanha, despedido em 2015, de divulgar para a imprensa informações ‘confidenciais’

Redação Internacional

14 de julho de 2016 | 09h12

WASHINGTON – O provável candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, exige US$ 10 milhões de um ex-funcionário de sua campanha por supostamente haver quebrado uma cláusula de confidencialidade, segundo uma informação publicada na quarta-feira.

O empresário acusa seu ex-assessor de campanha, Sam Nunberg – que foi despedido em 2015 -, de divulgar para a imprensa informações “confidenciais”. Por esse motivo, Trump está exigindo US$ 10 milhões em danos em um caso que até agora havia se limitado a uma arbitragem privada entre as partes.

No entanto, Nunberg está tentando transferir o caso aos tribunais para se tornar público. Na quarta-feira, ele apresentou vários documentos perante a Corte Suprema Civil de Nova York.

O magnata acusa Nunberg de estar por trás de um relatório publicado em maio pelo jornal New York Post sobre uma discussão entre o então chefe de campanha de Trump, Corey Lewandowski, e sua porta-voz, Hope Hicks. A informação é negada pelo ex-assessor.

A campanha de Trump despediu Nunberg em agosto de 2015 por ter publicado em 2007 e 2008 comentários considerados racistas em sua conta pessoal do Facebook contra a filha do reverendo e ativista negro Al Sharpton e o presidente dos Estados Unidos Barack Obama. /EFE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.