Trump pede que país se una no feriado de Ação de Graças e siga fortalecido

Trump pede que país se una no feriado de Ação de Graças e siga fortalecido

Presidente eleito dos EUA admite que campanha eleitoral foi ‘longa e dolorosa’ e destaca que é preciso curar divisões internas

Redação Internacional

24 de novembro de 2016 | 07h43

WASHINGTON – O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, admitiu na quarta-feira que a “longa e dolorosa” disputa pela Casa Branca deixou as emoções à flor da pele e as tensões elevadas, mas pediu que o país se reúna no feriado de Ação de Graças.

Em um vídeo gravado em seu resort de golfe na Flórida, o magnata de 70 anos disse: “É meu desejo que neste Dia de Ação de Graças comecemos a curar nossas divisões e seguir adiante como um país, fortalecidos por um propósito compartilhado e uma determinação muito, muito comum”, acrescentou.

Presidente eleito dos EUA, Donald Trump (Foto: AP Photo/Evan Vucci)

Presidente eleito dos EUA, Donald Trump (Foto: AP Photo/Evan Vucci)

Trump passará o feriado de Ação de Graças, celebrado nesta quinta-feira, 24, com parte de sua família no resort Mar-a-Lago, nos arredores de Palm Beach, antes de voltar ao trabalho, em Nova York, e escolher membros de seu futuro governo. O republicano irá assumir a presidência no dia 20 de janeiro.

Alguns de seus escolhidos alimentaram preocupações já existentes entre grupos minoritários e oponentes dos republicanos de que Trump comandará um governo de divisão, preocupado unicamente com sua base formada por conservadores brancos.

“Acabamos de sair de uma campanha longa e dolorosa. As emoções estão à flor da pele e as tensões não saram do dia para a noite”, admitiu Trump. “Não se cura isso de forma rápida, infelizmente, mas agora temos diante de nós a chance de fazer história juntos e levar uma mudança real a Washington, uma segurança real às nossas cidades e uma prosperidade real às nossas comunidades, inclusive as do interior.” / AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: