Trump promete ataques mais duros a Hillary nos próximos debates

Trump promete ataques mais duros a Hillary nos próximos debates

Fungadas do republicano viralizam nas redes sociais e ele diz que problemas do microfone causaram os barulhos; ele criticou o moderador Lester Holt por não ter questionado a democrata quanto ao escândalo dos e-mails ou à Fundação Clinton

Redação Internacional

27 de setembro de 2016 | 15h11

WASHINGTON – O candidato republicano à presidência dos EUA, Donald Trump, defendeu nesta terça-feira, 27, sua atuação no debate de segunda-feira contra a candidata democrata, Hillary Clinton, e sugeriu que a atacará de forma mais dura no próximo encontro.

“Foram feitas para mim algumas perguntas hostis, mas acredito que me saí verdadeiramente bem. Foi o debate dos debates”, disse o magnata em entrevista ao programa de televisão Fox and Friends.

Candidatos à presidência dos EUA, Donald Trump e Hillary Clinton, apertam as mãos em debate (Foto: EFE/JUSTIN LANE)

Candidatos à presidência dos EUA, Donald Trump e Hillary Clinton, apertam as mãos em debate (Foto: EFE/JUSTIN LANE)

Ao ser questionado se mudará o tom no próximo debate, que está marcado para o dia 9 em Saint Louis, Missouri, Trump respondeu que poderia atacar Hillary “mais duramente”. “Eu me contive bastante porque não queria ferir os sentimentos de ninguém. Portanto, pode ser que a ataque mais duramente de certo modo”, acrescentou o candidato republicano.

Trump afirmou que, quando Hillary mencionou os insultos do magnata com relação às mulheres no final do debate, “ia atacá-la com as mulheres de seu marido”, em referência às aventuras adúlteras do ex-presidente americano Bill Clinton. “Mas decidi que não deveria fazer isso, porque sua filha estava lá. Acho que fiz o correto. Não me sentiria bem dizendo isso com Chelsea na sala”, acrescentou.

O empresário se mostrou orgulhoso de ter falado “brevemente e com força” no debate sobre “a imigração ilegal, a polícia, a lei e a ordem” e “o comércio e os empregos”, porque considera que são as coisas mais importantes que o país tem de “enfrentar”.

Também protestou porque o moderador do debate, Lester Holt, não perguntou a Hillary “sobre seus e-mails, seus escândalos, nem sobre Benghazi (ligada à morte de quatro americanos na cidade libanesa em 2012, enquanto ela era secretária de Estado)”, ou sobre a Fundação Clinton. “Não perguntou sobre muitas coisas que deveria ter perguntado, não há dúvidas disso”, ressaltou.

Fungadas. Trump precisou se explicar depois que as fungadas durante o debate viralizaram nas redes sociais, com piadas e ironias sobre um candidato que fez da saúde de sua concorrente um tema de campanha.

Hashtaghs como #Sniffles (fungadas), #TrumpSniffles (fungadas de Trump) e #Trumpsniffing (Trump fungando) tomaram conta das redes sociais depois que o republicano fungou repetidamente nos minutos iniciais do debate. O comediante Stephen Colbert brincou que Trump “parecia que estava lutando contra uma gripe com cocaína”.

Outros questionaram a saúde de Trump. “Parece pneumonia para mim”, tuitou o ex-congressista democrata John Dingell. Uma pneumonia afastou Hillary da campanha por alguns dias no início do mês, depois que Trump levantou dúvidas repetidamente sobre a saúde de sua concorrente.

“Trump vai fazer HRC ficar doente novamente!” (“Trump is going to make HRC sick again”), afirmou Carla Ingraham, parafraseando o slogan de campanha do magnata, “Make America Great Again”.

O candidato afirmou que as fungadas eram, na verdade, problemas com seu microfone, que causaram ruídos que podiam ser ouvidos durante sua fala. “O volume estava muito mais baixo que o dela e o som cortava. Não podiam me ouvir na sala” do debate, protestou.

Lado democrata. Por outro lado, Hillary Clinton se mostrou muito satisfeita com o resultado do debate e rejeitou as queixas de Trump sobre supostos problemas com seu microfone. “Alguém que se queixa do microfone não teve uma boa noite”, disse ela.

Em declarações aos jornalistas a bordo de seu avião de campanha, a ex-secretária de Estado considerou que o debate serviu para mostrar “algumas diferenças muito claras” entre ela e o candidato republicano, por exemplo em tudo o que se refere a “temperamento, capacidade e qualificações”.

“Acredito que os espectadores tiveram uma verdadeira oportunidade de começar a comparar nossas políticas”, disse, demonstrando satisfação por ter explicado seus planos para conseguir um crescimento econômico “justo” e para impulsionar medidas que ajudem às famílias.

Enquanto isso, segundo sua opinião, Trump não ofereceu “respostas verdadeiras”, fez acusações e afirmações “falsas” e expressou opiniões que “muita gente acha ofensivas”.

Hillary também criticou as propostas fiscais de seu adversário e disparou contra seu posicionamento sobre a mudança climática, lembrando que “não é um engano criado pelos chineses”, em referência a comentários feitos no passado pelo magnata nova-iorquino.

Veja abaixo: Hillary e Trump batem boca no primeiro debate

Questionada se teme um tom mais agressivo do adversário nos próximos debates, Hillary disse que cada um pode fazer a campanha como desejar, mas garantiu que ela vai seguir falando de seus planos para o país. “Eu estou animada”, apontou Hillary. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:

Donald TrumpHillary Clintondebate

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.