Trump rompe com tradição de 11 presidentes e substitui locutor de posse

Trump rompe com tradição de 11 presidentes e substitui locutor de posse

Brotman, de 89 anos, apresentou todos os desfiles de posses presidenciais desde que Dwight D. Eisenhower tomou posse pela segunda vez em 1957

Redação Internacional

09 Janeiro 2017 | 21h40

WASHINGTON – O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, decidiu não contar em sua posse com a voz do locutor Charles Brotman, que trabalha na cerimônia desde 1957 e nesta segunda-feira, 9, se declarou desolado pela decisão do magnata.

EUA_CharlesBrotman_AP

Charles Brotman, em imagem de arquivo. Foto: Associated Press

Brotman, de 89 anos, apresentou todos os desfiles de posses presidenciais desde que Dwight D. Eisenhower tomou posse pela segunda vez em 1957.

No entanto, o multimilionário nova-iorquino, que assumirá o cargo como 45º presidente dos EUA no dia 20 no Capitólio de Washington, sede do Congresso, quebrou uma tradição que abrangeu 11 presidentes americanos.

“Olhei meus e-mails e então levei o choque da minha vida”, declarou hoje Brotman à emissora CNN, em alusão à mensagem que recebeu da equipe de transição de Trump para comunicar-lhe a má notícia.

“Eu me senti como se Muhammad Ali tivesse me batido no estômago”, ressaltou o veterano locutor, visivelmente chateado pela decisão de Trump.

Em entrevista à emissora local WJLA, Brotman se declarou “desconsolado” e “destruído”. “Estive fazendo isso durante 60 anos”, acrescentou.

Em seu lugar, Trump escolheu Steve Ray, um locutor de 58 anos que trabalhou para a equipe de beisebol Washington National e várias emissoras de rádio da capital americana.

Por sua parte, Ray elogiou Brotman, a quem qualificou como uma instituição que é “como se se tratasse de um edifício, faz parte da paisagem de Washington”, e destacou que não pretende “ocupar seu lugar”.

A equipe de transição anunciou que Brotman será honrado como “locutor emérito” no dia 20, um prêmio de consolação que talvez lhe ajude a aguentar sua enorme decepção. / EFE

Mais conteúdo sobre:

Charles BrotmanDonald TrumpEUA